TRF-4 corre para prender Lula e ratifica a vergonha partidária que se tornou o Judiciário de golpistas

Esses juízes do TRF-4 têm de ser obrigatoriamente isentos, imparciais, justos e responsáveis com o Lula, com a verdade, com a sociedade brasileira e com a justiça

Esses juízes do TRF-4 têm de ser obrigatoriamente isentos, imparciais, justos e responsáveis com o Lula, com a verdade, com a sociedade brasileira e com a justiça
Esses juízes do TRF-4 têm de ser obrigatoriamente isentos, imparciais, justos e responsáveis com o Lula, com a verdade, com a sociedade brasileira e com a justiça (Foto: Davis Sena Filho)

Enquanto o Brasil é humilhado e demolido literalmente por causa da venda criminosa e de lesa-pátria de seu patrimônio público, golpistas que tomaram o poder de assalto, exatamente como assaltam os bandidos, os delinquentes e os celerados, o ex-presidente Lula é mais uma vez perseguido caninamente, porque o juiz Sérgio Moro, do PSDB do Paraná, é considerado por milhões de brasileiros como um bárbaro, no que diz respeito à Justiça brasileira se tornar medieval, além de ter cometido crimes nos quais o magistrado de província não foi ainda severamente punido, bem como, sistematicamente, utiliza-se de Lawfare para impedir que o maior político das Américas seja candidato e vença as eleições presidenciais de 2018, até porque Lula é o líder disparado nas pesquisas dos institutos burgueses, a ter índices maiores do que todos seus hipotéticos adversários juntos.

Quem deveria responder por crimes graves, constantes e rotineiros é o juiz tucano, Sérgio Moro, que se vivesse em um país considerado "sério", os quais os coxinhas do Judiciário tanto admiram por causa de seus estratosféricos complexos de vira-latas, certamente que tal togado, que é um dos principais responsáveis pela crise política e econômica do Brasil, que causou 20 milhões de desempregos, seria afastado de suas funções e cargo, além de processado pelo Estado, bem como, evidentemente, preso.

Talvez uma cadeia de 30 anos, ou melhor, prisão perpétua, porque o magistrado do Paraná cometeu, dentre muitas outras ilegalidades, o crime gravíssimo de liberar à imprensa de mercado os diálogos entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula. A imprensa comercial e privada, assim como historicamente golpista e associada aos interesses da Lava Jato, força tarefa que compartilha e antecipa a condenação dos acusados pelas manchetes e matérias, que, data vênia, são condenados e linchados publicamente antes de serem julgados, sendo que muitos estão presos sem comprovação material de suas culpas, no que tange a terem cometido crimes.

Juízes e procuradores nos tempos sombrios de hoje não somente executam as leis, mas, sobretudo, legislam, ilegalmente, conforme suas conveniências e interesses políticos e ideológicos, pelo simples e real fato de que estão até a medula envolvidos com o golpe de estado efetivado pelos ladrões que estão a arrasar o Estado nacional, sua economia e o Estado Democrático de Direito. A verdade é única e indissolúvel: a repercussão da gravação das conversas entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula foi realizada pela PF após duas horas de o juiz Moro, do PSDB do Paraná, ter determinado o fim das interceptações que bisbilhotavam as conversas de Lula por telefone.

Como o Moro tem como papel fundamental acabar com o PT, dar uma conotação que a política é suja, a fim de despolitizar a sociedade, bem como perseguir o ex-presidente Lula para que ele fique fora da corrida eleitoral de 2018, tal juiz de primeira instância e de um provincianismo que chega doer no juízo e na consciência dos cidadãos, que não engolem e não conjugam com seu indevido ativismo político e de direita, resolveu se valer de seu cargo e posição de salários altíssimos, que chegam a ser pornográficos, liberar os áudios dos presidentes petistas e, consequentemente, causar comoção popular. E foi o que aconteceu...

O juiz percebeu que Lula, na posição de chefe da Casa Civil, tentaria reagrupar a base do governo Dilma, que já estava em processo avançado de ruptura com o governo democrático e trabalhista. Além disso, Moro teve a ajuda de seu "espelho" e reflexo, cuja imagem é a do juiz do Supremo, Gilmar Mendes, do PSDB do Mato Grosso, que libera da cadeia, a torto e a direito, aliados políticos e empresariais, que foram acusados de cometer crimes, como comprova, indelevelmente, sua lamentável biografia, pois quando tal juiz abre a boca, sem sombra de dúvida, o STF parcial, injusto, burguês e golpista fica ainda menor do que já é.

Não sei se o juiz tucano, Sérgio Moro, foi processado por ter cometido esse grave crime, dentre outros crimes, ressalvo, que ele já cometeu à frente da Lava Jato. Porém, certamente, que existem processos contra ele e que, obviamente, estão engavetados eternamente, porque o Brasil é terra de ninguém e por causa disto considerado uma terra de los macaquitos, de cucarachas e de todos tipos de golpistas e usurpadores que se sentem bem e confortáveis quanto ao Brasil se tornar, irremediavelmente, colonizado e subalterno, enfim, uma verdadeira Banânia!

Depois os coxinhas miameiros vão tomar um banho de loja em Miami e, posteriormente, considerarem que tomaram também um banho de cultura e conhecimento. Seria cômico se não fosse trágico. E por que eu falo dessa forma? Porque grande parte dos membros ou servidores públicos do Judiciário agem e pensam dessa forma, sendo que é exatamente essa mediocridade que perdeu a modéstia que está a mandar no Brasil.

Contudo, a questão principal deste artigo é a que consta em seu título: "TRF-4 corre para prender Lula e ratifica a vergonha partidária, que se tornou o Judiciário de golpistas". Apenas de início fiz análise para que o leitor saiba com quem está a tratar, no caso o Judiciário brasileiro, um dos mais caros do mundo, onde vicejam juízes associados aos interesses dos procuradores e delegados da PF, que se insurgiram contra o Estado de Direito e, com efeito, violaram a Constituição Cidadã de 1988.

A verdade é que esses servidores garantiram judicialmente e juridicamente o golpe de estado de terceiro mundo contra uma mandatária reeleita legalmente e democraticamente com 54,5 milhões de votos. A presidente injustamente deposta e que não cometeu crimes. Tais togados e meganhas, que vivem em um mundo paralelo de opulências, confortos e mordomias, juntaram-se às mídias de empresários corruptos e bilionários e a políticos direitistas e golpistas, que resolveram simplesmente dar fim à paz social, quando resolveram cooperar para colocar no lugar de Dilma Rousseff uma quadrilha de ladrões.

Uma escória bastante perigosa, que está a causar um rombo fiscal no Brasil sem precedentes, sendo que por serem irresponsáveis, infames e sórdidos estão a vender 57 empresas públicas para cobrir parte do rombo fiscal e, por sua vez, não responderem por seus crimes fiscais, financeiros, além de não cumprirem com as metas estabelecidas pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que, a partir do golpe, tanto faz como fez sua existência. Golpistas criminosos podem tudo neste País bananeiro, com a aquiescência e a cumplicidade do pior, do mais caro e o mais alienado e elitista Judiciário do mundo ocidental — o brasileiro.

A quadrilha de *mi-shell temer vai entregar 57 empresas públicas à banca e à iniciativa privada, que se consideram "competentes", mas sempre mamaram nas tetas do Estado nacional. Será a venda de empresas gigantescas e estratégicas para a soberania do Brasil, que foram construídas através das décadas por inúmeras gerações de brasileiros, apenas para tampar o rombo fiscal e financeiro causado por moleques e bandidos de colarinhos brancos de toda monta e tamanho. Para tirarem os seus da reta, tais cafajestes ou canalhas resolvem vender o Estado e a Nação e, por conseguinte, evitam ser responsabilizados pela roubalheira e incompetência, motivos mais do que suficientes para perderem seus podres poderes conquistados por intermédio de um golpe de estado travestido de legal e legítimo.

A liquidação do Brasil, como se fôssemos uma loja comercial de produtos à venda e não uma nação. A entrega, ou seja, o roubo da Eletrobras e até a Casa da Moeda por parte de golpistas desprovidos de votos e de autoridade moral e eleitoral conquistada pelas urnas soberanas, que foram invalidadas arbitrariamente por criminosos. Já pensou nisso, cara pálida? A gringada pirata, malandra e esperta a mandar na Casa da Moeda, uma instituição centenária e responsável pela fabricação de selos, notas e moedas nacionais? Quer coisa mais simbólica do que representa a privatização do Brasil e sua consequente e total colonização?

Pois é... Porque não se trata apenas de privatizar, mas, sobretudo, trata-se de estabelecer que o Brasil deixa de ser uma nação independente ao abrir mão de sua soberania e, por seu turno, voltar aos tempos do Brasil Colônia, porque o Império não deu mole para a gringada, no que diz respeito a se rebaixar tanto sem precisar e sem necessidade. Pelo contrário, o Império garantiu o território nacional e suas fronteiras, conquistas que foram consolidadas na República Velha, a ter o grande Barão do Rio Branco como símbolo de nossa independência e soberania.

Essas questões tão importantes para que um país se torne em nação de fato e de direito não importa à casa grande e seus capatazes como os do Judiciário, por exemplo. Nunca importou. O que realmente importa para a "elite" ou a oligarquia mais perversa, preconceituosa, sectária e violenta do mundo ocidental é ter lucros exorbitantes, empregar mão de obra barata, sem direitos trabalhistas e previdenciários e viver fora do Brasil, a tê-lo somente como instrumento que propicia sua riqueza, vida farta e bem-estar somente para seu grupo social.

Se tiver de ficar no Brasil, mora-se em condomínios luxuosos e com seguranças armados até os dentes, de forma que os filhos da burguesia não precisem sair nem para ir à escola ou se divertir. É assim que toca a banda, e é por esses valores que a classe média coxinha trai o País e também odeia os pobres, os negros e quaisquer minorias, porque os coxinhas, na verdade, imitam o estilo de vida que os ricos levam, assumem seus valores e princípios e, com efeito, desprezam o Brasil e seu povo, ao ponto de não se importar de perder direitos e garantias, bem como não estão nem aí para a venda do Brasil, que está a ser liquidado em um feirão promovido pelos bandidos da direita brasileira, que são membros do PSDB, do PMDB, do PP e do DEM, dentre outros partidos, que tomaram o Palácio do Planalto de assalto.

Trata-se da total alienação, despolitização, analfabetismo político, desprezo e sentimento de classe por parte da casa grande e da pequena burguesia, sua empregada que, boçalmente, a apoia, mas não faz parte da turma dos ricos e muito menos de seus rega-bofes ou comezainas. Só pensa que faz... Se ilude. Idiotice e imbecilidade aplicadas diretamente em suas veias. Os preconceitos são as matérias das almas e dos espíritos da pequena burguesia, que deseja ir aos lugares que ela pensa que é dela sem ter de ver negros, pobres e iletrados. Não quer ver quanto mais ter de conversar. As redes sociais e as ruas comprovaram e comprovam o que eu assevero sobre a estúpida, leviana, medíocre e ignorante classe média coxinha.

Então, voltemos ao assunto, que é observar que o Judiciário é o alicerce do consórcio golpista que rasgou o contrato social garantido pela Carta Magna após o fim da ditadura militar, mas que hoje não vale nada, porque os juízes dos tribunais superiores e até mesmo juizecos de primeira instância estão a executá-la conforme os interesses políticos e partidários prementes, sendo que um desses interesses tem reflexo direto no que concerne a considerar que os tucanos não são, não devem e não podem ser presos. Ponto!

No Brasil, os tucanos ou o PSDB são submetidos a outras regras, normas e leis, porque a Constituição e o Código Penal brasileiros não valem para os bicudos ultraneoliberais, que quando estão no poder, agora por meio de um golpe bananeiro — a cara deles —, arrebentam propositalmente com o Brasil. É como se a tucanagem de terceiro mundo e cucaracha fosse um câncer anteriormente combatido e presumivelmente sarado, mas que depois de um certo tempo retorna impiedosamente ao organismo para tentar enfraquecê-lo e depois matá-lo. Assim é o PSDB. Trata-se literalmente de seu jeito escroto de ser. Fazer o quê, né? Tucano é assim... assim: vendilhão, traidor, golpista e usurpador! Olhe só, rimou.

Entretanto, o TRF-4, lugar onde a direita espera derrotar o Lula ao invés das urnas, está a se preparar para condená-lo por crime que não cometeu, no caso o do triplex de Guarujá, um apartamento que não é triplex, diga-se de passagem e que jamais pertenceu ao Lula. Fazer o quê, né? Os juízes e procuradores decidiram que o imóvel é do candidato favorito às eleições presidenciais, sem quaisquer provas e contraprovas, ao ponto de o juiz Sérgio Moro, em sua condenação abusiva, inapropriada, injusta e parcial contra o Lula, reconhecer que o político mais importante da América Latina e um dos mais populares e reconhecidos do mundo não ter cometido crimes por falta de provas. Não existem provas, porque Lula não cometeu crimes. Simples assim, e não me venham com churumelas.

Igualmente tal reconhecimento de que Lula não cometeu malfeitos aconteceu também quando no final da lamentável, da leviana e da mentirosa apresentação do powerpoint do procurador Deltan Dallagnol, aquele que se negou a dar transparência sobre a origem do dinheiro do filme "Polícia Federal — a Lei é para Todos", menos para os tucanos e os ladrões e corruptos que tomaram de assalto o governo central, bem como o ínclito procurador Dallagnol se nega a informar o quanto ele ganha por intermédio de suas palestras, sendo que muito dessa fama e prestígio perante os conservadores brasileiros advém da perseguição canina e covarde a Lula, que tem por objetivo final impedi-lo de ser presidente do Brasil pela terceira vez.

A Lava Jato é, sobretudo, ferramenta política da direita, e é para os interesses do status quo que seus servidores togados e de classe média trabalham. Não é mesmo, doutor? Agora a caçada a Lula é por conta do TRF-4. O presidente do tribunal, Carlos Eduardo Lenz, já deu declarações fora dos autos, afinal o impoluto magistrado também necessita de um pouquinho de fama. "Quaé, mermão!... Não é somente o "intocável" Moro que necessita das luzes da ribalta da imprensa alienígena e de negócios privados".

O juiz Lenz já disse que admira muito o juiz Moro, do PSDB do Paraná, mas o Estado de Direito espera que o magistrado Lenz não seja do PSDB do Rio Grande do Sul, bem como seus três colegas que julgarão o Lula pelo triplex que ele não tem, porque nunca foi dele também não passem a fazer parte de um processo covarde e draconiano, que persegue um político que não roubou e deixa um monte de políticos e empresários que comprovadamente roubaram livres, leves e soltos, a exemplo de políticos de PSDB, do PMDB e do DEM, que todo mundo sabe quem são. Surreal, não?!

Os togados partidarizados escolheram lado político e cor ideológica e podem mandar prender uma pessoa que não cometeu crimes, além de transformar as eleições de 2018 em uma farsa e fraude, porque, realmente, impedir o candidato das forças populares de não concorrer, mesmo se ele não cometeu crimes, ou seja, não roubou, o Brasil passa então a caminhar por veredas perigosas, de forma que este País, enfim, passe a viver em uma crise institucional e política sem fim e hora para terminar, sendo que pode acontecer uma convulsão social.

O negócio é o seguinte: o Lula com sua "Caravana da Cidadania" pelo Nordeste, que está a ser gravada e que ainda será um documentário de grandeza assustou a patuleia do governo golpista e de ladrões, do Judiciário burguês e igualmente golpista, da imprensa portadora do jornalismo de esgoto e do pior e mais corrupto Congresso de todos os tempos. Como o desespero dessa burguesia é grande, porque ela odeia que se governe para os pobres, porque historicamente equivocada e burra para dedéu, resolveu por meio de juízes que trabalham para os interesses dela tramitar o processo contra o Lula no TRF-4 em ritmo frenético.

Explica-se melhor: a ação contra o líder popular, trabalhista e de esquerda está agora ser alvo da rapidez partidária e inconsequente de juízes talhados para afastar o Lula de qualquer oportunidade de se tornar presidente. Os trâmites de seus processos são os mais rápidos de todos os processos da Lava Jato. Em apenas 42 dias, a partir da sentença surreal e injusta de Moro no mês de julho, até o início da tramitação da apelação da defesa de Lula ou do recurso na segunda instância, o TRF-4 mostrou para o que veio, e veio para ratificar o que o Moro decidiu: condenar um réu sem provas, agora em segunda instância.

A média dos demais casos da Lava Jato, e são inúmeros, é de 96 dias. Essa grande molecagem significa que o ritmo acelerado do processo de Lula tem por finalidade interferir no processo político brasileiro. Todo mundo sabe disso. Porém, a direita brasileira e seus capitães do mato perderam definitivamente a vergonha e a modéstia. A sociedade brasileira entrou em um círculo onde a hipocrisia, o cinismo, a desfaçatez e a injustiça imperam. A parcialidade desses juízes é vergonhosa e desmoraliza de vez a credibilidade do Judiciário, da Justiça e do MPF.

É simplesmente inaceitável o que ocorre nesta selva de pedra, onde o atraso é bem-vindo e o retrocesso é considerado avanço. Juízes e procuradores querem, de fato, retirar o Lula da luta política por meio de Lawfare, que significa a utilização do Poder Judiciário para perseguir mediante as leis o adversário ou inimigo a ser derrotado, que é o caso de Lula. A covardia desses servidores públicos ficará na história. Dessa vergonha sobre suas injustiças e parcialidades eles não escapam.

O Judiciário necessita de uma reforma profunda e urgente em todos os sentidos, inclusive a diminuir os salários pornográficos de juízes e procuradores, que, então, passarão a ir menos a Miami para fazer compras em shoppings, como também a Orlando e ver menos o Pateta. Enquanto isso, por exemplo, policiais militares no Rio de Janeiro ganham R$ 2 mil por mês para tomar tiro de fuzil na cara, enquanto juízes e procuradores ficam a passear dentro de suas redomas de cristais e a interditar candidaturas e prender quem não cometeu crimes. Aviso: sem justiça não há paz!

A imagem do Judiciário é péssima. Ninguém confia nesses caras, até mesmo os coxinhas conservadores. Não é porque alguém apoie golpe que necessariamente confie na Justiça, ainda mais a brasileira. Lula não roubou, volto a ressaltar e é favorito às eleições. Se Lula tivesse roubado, eu seria um dos que desejariam sua prisão. Contudo, não é a realidade e nem a verdade.

Esses juízes do TRF-4 têm de ser obrigatoriamente isentos, imparciais, justos e responsáveis com o Lula, com a verdade, com a sociedade brasileira e com a justiça. Fazer justiça é um dever e obrigação. O juiz Moro e seus associados da Lava Jato não são bons exemplos de uma Justiça justa e republicana. Lula tem de ser absolvido, porque ele não roubou. Justiça! É isso aí.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247