“Trump deve ser removido do cargo”, diz principal revista evangélica dos EUA

O editorial da revista Christianity Today (Cristandade Hoje) de ontem (19), assinado por Mark Galli, desferiu um importante golpe no presidente Donald Trump

Donald Trump
Donald Trump

O editorial da revista Christianity Today (Cristandade Hoje) de ontem (19), assinado por Mark Galli, desferiu um importante golpe no presidente Donald Trump, já abalado pelas acusações e aprovação pela Câmara dos EUA do processo para removê-lo da presidência.

O processo, que deverá ser julgado pelo Senado dos EUA, terá desfecho contra opresidente somente se houver mobilização popular, uma vez que os republicanos são maioria na casa e tendem a proteger os seus, independentemente da gravidade dos atos praticados.

Ao qualificar de imoral o comportamento de Trump, o editorial da principal revistaevangélica dos EUA, criada por Billy Graham, confere enorme força às pressões populares. Diz o editorial:

“Os fatos neste caso são inequívocos: o presidente dos Estados Unidos tentou usar seupoder político para coagir um líder estrangeiro a perseguir e desacreditar um dos oponentes políticos do presidente. Isso não é apenas uma violação da Constituição; mais importante, é profundamente imoral.”

Muitos tendem a achar que o ato de Trump não é tão grave assim e a revista explica oporquê dessa reação das pessoas:

“A razão pela qual muitos não ficam chocados com isso é que esse presidente rebaixou opadrão de moralidade em seu governo. Ele contratou e demitiu várias pessoas que agora são criminosas condenadas. Ele próprio admitiu atos imorais nos negócios e em seu relacionamento com as mulheres, dos quais se orgulha. Só o conteúdo que publica no Twitter - com sua série habitual de caracterizações falsas, mentiras e calúnias – já é um exemplo quase perfeito de um ser humano moralmente perdido e confuso.”

O editorial aponta que, embora os apoiadores evangélicos de Trump classifiquemalgumas de suas ações como positivas, a balança pende para o outro lado, dos abusos e das traições ao juramento constitucional:

“Acreditamos que as audiências de impeachment deixaram absolutamente claro, de umamaneira que a investigação de Mueller não fez, que o presidente Trump abusou de sua autoridade para obter ganhos pessoais e traiu seu juramento constitucional.

As audiências de impeachment iluminaram as deficiências morais do presidente paratodos verem. Isso prejudica a instituição da presidência, prejudica a reputação do nosso país e prejudica o espírito e o futuro de nosso povo. Nenhum dos pontos positivos do presidente pode equilibrar o perigo moral e político que enfrentamos sob um líder de caráter tão imoral.”

Conclui o editorial do Christianity Today.

“Aos muitos evangélicos que continuam a apoiar o Sr. Trump, apesar de seu registromoral obscuro, podemos dizer o seguinte: lembrem-se de quem vocês são e a quem servem. (…) Se não revertermos o rumo agora, alguém tomará com seriedade qualquer coisa que dissermos sobre justiça e retidão nas próximas décadas?”

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247