Trump x Biden: Um fantasma assombra os EUA…

A luta de vida hoje nos EUA e na sua eleição é o embate com o futuro, especialmente o enfrentamento com a China, dentro como vitrine a 5G



“Um espectro ronda os EUA – o espectro chinês” (parafraseando o Manifesto Comunista)

Daqui a dois dias, mais uma eleição polarizada nos EUA, o mundo terá o desfecho dessa tragédia que ameaça a civilização como um todo e que nos condenará à barbárie. É muito difícil pensar de forma racional e tentar compreender determinada época histórica e seus fenômenos autônomos.

Em 2016, a corrida presidencial dos EUA teve como centro do debate a “interferência” da Rússia na disputa, as informações sobre Hillary e suas relações controversas com o poder real, a fusão do Kapital com a burocracia permanente que dirige o Estado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os falcões de ambos os partidos (Democratas e Republicanos) buscam se vincular como chance de conquistar vantagens, ao contrário de Trump, que é parte do Kapital mas se apresentava como antissistema, que era exatamente o que esperava o cidadão consumidor de fakenews e de redes sociais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Trump Presidente, o irreal tomou sua forma ideal e não é uma construção metafórica, mas de filosofia real em que a autonomia dos fenômenos objetivos se realiza de forma concreta. O Estado de Exceção, como Regra, que prefiro denominar Estado Gotham City, é a preparação da completa autonomia da plutocracia em relação à Democracia Formal: Povo, Estado e Nação.

A Economia dos EUA, desde de 2012, vivia uma nova fase de expansão, depois da enorme crise de 2005-2008, que teve como maior consequência, a mudança de paradigma do Estado, era necessário apagar qualquer vestígio de um Estado que atendesse demandas sociais, o aprofundamento de reformas e de incentivos para atração das empresas e empregos nos EUA feitos por Obama, foi radicalizado por Trump.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As características de autonomia da administração dos EUA, comandada por agência, pouco permite que o Presidente efetivamente mexa no essencial, isso faz com que, personalidades tão distintas como Obama e Trump, dirijam o país sem que se possa mudar o curso do país em curto prazo. Entretanto as relações internas com setores mais duros do império, impõe ao mundo marcas mais profundas.

A luta de vida hoje nos EUA e na sua eleição é o embate com o futuro, especialmente o enfrentamento com a China, dentro como vitrine a 5G. A política implementada nos EUA de busca de competitividade, foi levada ao congresso em 2010 por Obama no discurso do Estado e da Nação.

Naquela ocasião, o relatório estratégico para os próximos 30 anos apontava a perda de competitividade do país frente ao mundo, em particular, nos campo da ciência e da tecnologia, a educação. A predominância dos EUA continuava pela força do Dólar e da presença no mercado e transações, mas havia riscos com a visão de país apenas consumidor, era preciso atrair a produção e o desenvolvimento de volta para casa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O fator China já estava no radar e ele se tornou rapidamente como decisivo, não é a toa que Trump e Biden dizem a mesma coisa sobre as relações com a China, ambos prometem endurecer o embate, não há divergências de fundo, receio que Biden pode ser ainda mais radical, pelos vínculos com a comunidade de espionagem e segurança, como alertou Glenn Greenwald.

Em 2020 parecia um passeio para os Democratas, afastaram o “socialista” Sanders e impuseram o falcão Biden, quase um Republicano. Trump e seu negacionismo da COVID-19, os 235 mil mortos, dava toda certeza de uma derrota, entretanto a complexidade das eleições, como também o momento do desespero sobre o futuro acenderam a luz vermelha da campanha de Biden.

Trump e seus seguidores radicalizam mais uma vez o discurso de ódio, atacam abertamente, o patriotismo, Deus e a nação, além da ameaça de não reconhecer uma provável derrota. Nesse ano de pandemia, os americanos compraram 20 milhões de armas, o que se percebe é um risco real de confronto e de violência a depender do resultado das urnas, uma vitória apertada de qualquer lado, pode abrir margem para questionamentos e enfrentamentos de ruas.

Do lado chinês, a semana passada foi da reunião do pleno do Comitê Central do Partido Comunista da China, mais parece um evento de uma grande empresa, com planos estratégicos, deliberações sobre concorrência e decisões de como avançar na presença da China S.A. no mundo, os acordos que podem viabilizar o maior salto econômico no plano quinquenal de 2021-2025.

É esse o cenário nervoso para os próximos dias, que definirão o mundo.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email