Um Brasil evangélico: exclusivamente conservador?

Sim, eles estão crescendo. Nas periferias urbanas das regiões metropolitanas, os evangélicos se disseminaram junto às migrações internas das décadas de 1980 e 1990. Crescem às custas da perda de fiéis da igreja católica, que perde mais de 1% dos seus fiéis anualmente e em 10 ou 15 anos deixará de representar a maioria dos cristãos brasileiros

Sim, eles estão crescendo. Nas periferias urbanas das regiões metropolitanas, os evangélicos se disseminaram junto às migrações internas das décadas de 1980 e 1990. Crescem às custas da perda de fiéis da igreja católica, que perde mais de 1% dos seus fiéis anualmente e em 10 ou 15 anos deixará de representar a maioria dos cristãos brasileiros
Sim, eles estão crescendo. Nas periferias urbanas das regiões metropolitanas, os evangélicos se disseminaram junto às migrações internas das décadas de 1980 e 1990. Crescem às custas da perda de fiéis da igreja católica, que perde mais de 1% dos seus fiéis anualmente e em 10 ou 15 anos deixará de representar a maioria dos cristãos brasileiros (Foto: Debora Medeiros)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sim, eles estão crescendo. Nas periferias urbanas das regiões metropolitanas, os evangélicos se disseminaram junto às migrações internas das décadas de 1980 e 1990.

Crescem às custas da perda de fiéis da igreja católica, que perde mais de 1% dos seus fiéis anualmente e em 10 ou 15 anos deixará de representar a maioria dos cristãos brasileiros.

Crescem, precisamente, nos territórios onde o Estado e a estrutura da Igreja Católica deixam espaços vazios de assistência estrutural e espiritual. É a religião que das camadas populares, da ralé brasileira. Nas periferias de São Paulo, já são 52 fiéis evangélicos para cada 100 católicos, enquanto no centro da cidade essa proporção é menor (38 para 100).

Desde a década de 1990, ocupam a política de forma expressiva, em geral associando-se os discursos conservadores. Mas serão somente conservadores?

Não. A igreja evangélica está em disputa, em franca disputa. Há setores dispostos a produzir uma grande fissura política em sua cultura, e a fazê-lo de forma organizada. E estão em movimento.

Destaco aqui, a Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito, um expoente desse processo.

Conhecê-los e apoiá-los será uma tarefa dos setores progressistas no próximo ciclo político. Ou o farão, ou perderão o povo.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247