Um crime monstruoso

O ex-ministro Roberto Amaral compara a perseguição sofrida por Lula pela Lava Jato à condenação injusta do capitão Alfred Dreyfus, na França, no final do século XIX. "O 'caso Dreyfus', foi cunhado como 'símbolo moderno e universal da iniquidade'. Como ficarão registrados pela História os crimes de Moro e seus cúmplices?", questiona

www.brasil247.com - Deltan Dallagnol, Sérgio Moro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Deltan Dallagnol, Sérgio Moro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Divulgação)


Em 1894, o capitão Alfred Dreyfus, inocente, foi condenado por um tribunal militar à degradação e ao degredo perpétuo “em recinto fortificado”, isto é, as galés, enquanto o responsável pelo crime de espionagem, de que ele fôra acusado, era declarado inocente. Não se tratava, porém, de erro judicial o escândalo que marcaria a Terceira República, mas de conjuração urdida pelos militares, da qual participaram todas as instâncias do poder francês, nomeadamente, além dos generais, o poder judiciário, o ministério da justiça e a imprensa, a quem coube, em conluio com os demais atores, o crucial papel de convencimento da opinião pública.

A França do final do século XIX vinha da derrota traumática na guerra franco-prussiana, da perda da Alsácia-Lorena (1871), da ocupação pelas tropas de Bismarck, e precisava recompor a fé nacionalista em frangalhos, a confiança perdida em suas forças armadas, e a esses objetivos serviam as mobilizações antissemitas  e antirracistas  de um modo geral, o ódio fomentado contra os alemães, que tentava reascender  o patriotismo, a xenofobia e a intolerância. O capitão Alfred Dreyfus era judeu, nascera na Alsácia e falava alemão. O judiciário civil-militar não carecia de mais “provas” para condená-lo, eram suficientes as “razões de Estado” (ou “convicções” de seus adversários) que se sobrepunham às razões do direito, e antes da sentença do conselho de guerra já falara a opinião pública manipulada. A condenação seria aceita sem traumas e foram precisos quatro anos de resistência de seus advogados para que o tema voltasse à baila, mobilizando principalmente intelectuais, liderados por Anatole France e  Émile Zola, que, na forma de carta ao presidente da República, Félix Faure, publica, em 1898, o libelo “J'accuse”. Denuncia o crime que a conspiração da caserna cometia contra o capitão, identifica seus responsáveis e qualifica o processo como o “abominável caso Dreyfus”. O capitão é afinal inocentado em 1906, pelo “Tribunal de Cassação”,  reintegrado ao exército e lutaria na primeira guerra mundial. Zola seria processado e obrigado a asilar-se na Inglaterra, acusado do crime de difamação, por haver denunciado o general du Paty de Clam  como principal articulador do processo militar e da urdidura infame.

Nesse texto, seminal,  Zola desnuda a farsa, expediente político já de há muito conhecido da História e que se tornaria recorrente no Estado moderno. Denuncia como crime terem os patrocinadores dos processos contra Dreyfus mobilizado a imprensa para manipular a opinião pública e criar o clima favorável à condenação sem provas do crime, e os acusa de haver eles próprios, acusadores e julgadores associados no feito, tramado uma conspiração para condenar um inocente. Como se tivesse olhos voltados para nossa realidade, escreve o autor de O germinal: “É um crime confundir a opinião pública, utilizar para uma sentença fatal essa opinião pública que foi corrompida até o delírio. É um crime envenenar os pequenos e humildes, exasperar as paixões de reação e de intolerância (...). É um crime explorar o patriotismo para as obras do ódio; é um crime, por fim, fazer do sabre o deus moderno, quando toda a ciência humana está a serviço da obra iminente da verdade e da justiça”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O “caso Dreyfus” – como ficou conhecida a manipulação do processo judicial para condenar um inocente – é considerado símbolo moderno de iniquidade política. Mas trata-se de expediente de que sempre lançou mão o poder, a serviço das mais variadas propostas, desde puras e simples “razões de Estado” até devaneios messiânicos de salvação nacional, como livrar o país da corrupção, mesmo ao custo de corromper o direito. Os diretores do processo repressivo policial-judicial, nesse contexto, são alçados à condição de heróis nacionais, e dispensados dos deveres de observar a Constituição e o devido processo legal. Os crimes contra os direitos dos investigados – como tráfico de influência, manipulação de provas e depoimentos, seleção de testemunhas, o acumpliciamento entre julgador e acusador, delações e vazamentos selecionados – são pré-absolvidos pelas razões cívicas do objeto da repressão. Noutras palavras, a tortura pode se justificar pela necessidade da confissão, tanto quanto ao réu é cerceado o direito a julgamento justo – ponto inegociável do direito - simplesmente porque se trata de um réu previamente condenado 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A virtual cassação dos direitos políticos de Lula e seu encarceramento não se devem a erro judicial, posto que resultam de bem urdida conspiração da melhor cepa do poder dominante: o poder judiciário em todas as suas instâncias, desde juízes de  piso à Suprema Corte, o Ministério Público Federal, as forças armadas (relembre-se a intervenção do general Villas Bôas, então comandante do exército, acuando o débil STF),  as forças da repressão (polícia federal e similares), o grande capital financeiro nacional-internacional, e, principal porta-voz da casa-grande, a imprensa, manipulando versões segundo os interesses dos aprendizes de Torquemadas de Curitiba, onde se instalou uma verdadeira trupe de assaltantes do direito, chefiadas por essa figura sem escrúpulos jurídicos que é o ex-juiz e ex-ministro de Bolsonaro (agora advogado de interesses privados bem remunerados), na verdade o chefe do conluio, comandando procuradores e policiais na caça às bruxas que a loucura comum selecionava para o pelourinho judicial. Repete-se a história. Contra Dreyfus, o inescrupuloso general du Paty de Clam conduzia as investigações e o julgamento; na infâmia contra Lula, o ex-juiz Sergio Moro dirigiu os passos dos procuradores, orientou investigações e inquéritos e ditou a acusação do Ministério Público, para ele mesmo julgar, condenando o acusado, que era acusado antes da apuração dos fatos, e condenado antes do inquérito e dos procedimentos processuais. Porque, no caso de Lula, o inquérito e o processo judicial tiveram apenas valia formal, a de dar aparência de honestidade a uma sentença condenatória desde sempre viciada porque lavrada por um juiz sem condições éticas de exercer a magistratura. O “processo” e a sentença, no piso e no tribunal regional, constituem uma só operação política, ao arrepio da mais comezinha ideia de direito, mandado às favas, como diria o coronel Passarinho. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O impedimento inconstitucional da posse de Lula na chefia da Casa Civil da presidente Dilma, levada a cabo por ação que começa com Moro e termina com o inefável ministro Gilmar Mendes,  e, na sequência, o impedimento de sua candidatura à presidência da República, atendiam ao reclamo da casa-grande decidida a impedir, primeiro a continuidade do governo  petista, e, por fim, o retorno do partido ao poder pelas mãos da soberania popular. Foram etapas do processo mais profundo e mais radical de demonização do PT e do ex-presidente, processo ainda hoje mantido de pé pela idiossincrasia reacionária da grande imprensa. Eram uma necessidade do sistema vigente. Correspondiam à aliança ideológica e fática da direita com a socialdemocracia, representavam um  realinhamento das forças reacionárias e conservadoras.

Mas, como já observado por Mino Carta (Carta Capital. 10/2/2021), se Moro é o chefe da operação, não é o cabeça, pois lhe faltam para isso estatura política e autonomia da vontade. Seu papel é similar ao de  Ronnie Lessa no assassinato de Marielle Franco: é preciso identificar o mandante, quem, de perto ou de longe conduzia as peças desse jogo de marinetas. É preciso saber quem está atrás do falso Catão dando-lhe, como foi dada, força e certeza de impunidade para pisar e pisotear os fundamentos da democracia constitucional, desmoralizar o poder judiciário já de si tão carente de respeito pela sociedade, negando ao acusado o direito inalienável a um julgamento justo. Ora, o ex-juiz jactava de não cuidar da imparcialidade, e seu ajudante de operações, o procurador-chefe, sempre se viu como a versão tropical de um Eliot Ness; sem provas e nem um pouco interessado em apurá-las, porquanto pleno de convicções, como os néscios e fanáticos de todo tipo. Juntos, numa associação delinquente, promíscua, apoiados na omissão cúmplice do Supremo e na solidariedade corporativa dos Conselhos da Magistratura e do Ministério público, juízes e procuradores patrocinaram um julgamento de exceção, interferiram no processo democrático eleitoral de 2018, retirando da disputa o candidato que liderava as pesquisas de intenção de votos, e condenaram ao cárcere um inocente. Uma operação política até aqui coroada de êxito e vantagens pessoais. Um crime irreparável contra um inocente, contra o direito, contra a Constituição e contra a República.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O “caso Dreyfus”, foi cunhado como “símbolo moderno e universal da iniquidade”. Como ficarão registrados pela História os crimes de Moro e seus cúmplices?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email