Um desafio aos jornalistas preguiçosos que atacam o documentário sobre a fakeada: debatam comigo

Rafael Moro, do Intercept, sugeriu que "Uma fakeada no coração do Brasil" é canalhice. Em vez de batermos boca, que tal uma live para debatermos ponto por ponto episódio de Juiz de Fora?

www.brasil247.com - Seguranças protegem Adélio depois da facada ou suposta faca
Seguranças protegem Adélio depois da facada ou suposta faca (Foto: Felipe Couri)


A indigência de setores do jornalismo brasileiro pode ser medida pelo post no twitter de um repórter do Intercept. Sem contestar um único ponto do documentário, Rafael Moro disse o seguinte: 

"Sem que surjam evidências em contrário, afirmar que Bolsonaro forjou o atentado a faca que sofreu equivale a dizer que Lula amputou o dedo de propósito para poder parar de trabalhar. É canalhice, em resumo."

Primeiro: eu não afirmei que Bolsonaro forjou o atentado. Expus fatos que justificam a reabertura do inquérito.

Segundo: Bolsonaro usou o episódio de Juiz de Fora para vencer a eleição. Foi decisivo na vitória dele.

Terceiro: Lula perdeu o dedo trabalhando, e nunca usou o fato politicamente.

Quarto: Quem ele acha que deve buscar "evidências em contrário"? O Eduardo Bolsonaro?  O padre? O pastor?  O bispo? O papa? Se as autoridades policiais não investigaram a hipótese do auto atentado, apesar dos indícios, cabe ao jornalista relatar o fato e investigar, dentro dos limites éticos.

O Leonardo Attuch propôs ao cidadão um debate ao vivo comigo sobre o caso. Eu aceito. Se ele topar, a sociedade ganha.

Esses jornalistas que se acham juízes do mundo nem se preocuparam em mostrar que Adélio não era um militante de esquerda, e usava sua rede para promover um projeto de emenda constitucional de Jair Bolsonaro, o da redução da maioridade penal.

E empunhava outras bandeiras do bolsonarismo, como o combate ao projeto que criminaliza a homofobia.

Era simples, bastava ler com atenção os posts do Adélio no Facebook. E se quisesse trabalhar um pouquinho mais, poderia ouvir parentes, amigos, fiéis da igreja que ele frequentava e fazer um perfil decente.

A ascensão da extrema direita no País tem a ver com um movimento organizado que criminalizou a política e demonizou a esquerda, sobretudo o PT. Mas não só. A imprensa, ao deixar de fazer o dever de casa, contribuiu para a desgraça.

Não estou falando de profissionais sérios que, mesmo na estrutura engessada das grandes redações, se empenham na busca de informações de qualidade e enfrentam a baixa capacidade técnica dos que dirigem esses veículos.

É preciso, entretanto, reconhecer que o Brasil tem hoje uma das piores imprensas do mundo. A mídia verdadeiramente independente tem que atuar para mudar esse quadro. Ganharemos todos.

E jornalismo, é bom frisar, não pode se limitar a publicar  o vazamento de dados. É necessário amassar barro e buscar a informação na sua origem, dento dos limites éticos, é claro. 

Em outras palavras, trabalhar para que o jornalismo seja a própria fonte da informação de qualidade, não apenas intermediário.

 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email