Um escarro para a posteridade

“A imagem do Brasil nesses tempos trevosos está consolidada: é a de um presidente que se nega a apresentar seu teste de coronavírus, sai às ruas, assoa o nariz e, em seguida, dá as mãos a uma vovozinha”, diz o jornalista Leonardo Attuch, editor do 247

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


O governo de Jair Bolsonaro, dure o quanto durar, já está condenado. Será marcado por uma depressão econômica sem precedentes na história do País, recorde de desemprego e milhares de mortes decorrentes da pandemia de coronavírus. Antes disso, já era um desastre, com sua violência retórica, seu ataque às instituições, sua submissão aos interesses internacionais e todas as tragédias ambientais que já ocorreram, como as queimadas na Amazônia, a catástrofe de Brumadinho e o derramamento de óleo nas praias do Nordeste.

Todos nós, com um mínimo de bom senso, já sabíamos do desastre anunciado, mas ainda nos faltava a imagem-síntese deste período trevoso de nossa história, uma era em que todas as maldições foram derramadas sobre o povo brasileiro.

Pois bem: a imagem chegou nesta sexta-feira da Paixão, dia em que os judeus comemoram a Páscoa e os cristãos celebram a ressurreição de Jesus Cristo. A imagem é a de um escarro. Não um escarro qualquer. Um escarro filmado e transmitido para o mundo inteiro como o retrato perfeito do personagem que lidera o Brasil. Não um escarro apenas. Mas um escarro seguido de um cumprimento de mãos a uma velha senhora.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Terá ela sido contaminada? Não sabemos. Bolsonaro, o “atleta” que comparou o coronavírus a uma “gripezinha”, se nega a apresentar o resultado de seu exame, muito embora 25 membros de sua comitiva na viagem ao resort de Donald Trump tenham sido infectados. Seja qual for o destino da vovozinha que recebeu aquele aperto de mãos, sabemos que o Brasil está doente e representa hoje a maior ameaça à civilização mundial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Todos também sabemos que poderia ser diferente. Não era uma “escolha muito difícil” optar entre um professor universitário e um apologista da morte. Todos aqueles que aceitaram perder sua humanidade e apertaram 17 ou se omitiram em 2018 são co-responsáveis pela imagem do Brasil, que é esta que segue abaixo, a de um escarro para a posteridade:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email