Um show para aquecer o fascismo antes da aglomeração do 7 de setembro

"A Anvisa, a Polícia Federal e todos os arapongas envolvidos na farsa da invasão do campo, para pegar em flagrante os jogadores argentinos, não estavam preocupados com um episódio que iria virar vexame internacional", escreve Moisés Mendes, do Jornalistas pela Democracia

www.brasil247.com - Anvisa suspende jogo Brasil x Argentina
Anvisa suspende jogo Brasil x Argentina (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Moisés Mendes, do Jornalistas pela Democracia

A Anvisa, a Polícia Federal e todos os arapongas envolvidos na farsa da invasão do campo, para pegar em flagrante os jogadores argentinos, não estavam preocupados com um episódio que iria virar vexame internacional.

Eles estavam interessados em agradar Bolsonaro. Armaram o grande show pré-aglomeração do 7 de setembro para manter a torcida fascista agitada e mobilizada.

Bolsonaro não quer saber se o mundo olha para o Brasil como o país negacionista que pune jogadores argentinos, depois de iniciado o jogo, só porque são argentinos.

O mundo sabe que Bolsonaro odeia os argentinos, que sonha em participar da articulação de um golpe contra Alberto Fernández e que o jogo foi apenas a chance de se apresentar como machão contra um inimigo.

O maior negacionista do mundo, o sujeito consagrado como genocida, empurrou a Anvisa e a Polícia Federal para a farsa do grande teatro do governo que de uma hora para outra defende a saúde pública.

Nem precisaria ser repetido, pela obviedade do argumento, que a Anvisa poderia pegar em flagrante, na saída do hotel, os quatro argentinos que burlaram as regras sanitárias.

O show em campo foi um pastelão de quinta categoria. A Polícia Federal não acha Zé Trovão, mas consegue encontrar quatro argentinos numa seleção de argentinos dentro de um campo de futebol

O  Brasil convive com a maior gandaia da pandemia no governo, nas ruas, em clubes, festas, em bares, na praia. O negacionismo é do cotidiano do alienado futebol brasileiro.

Testemunhamos todos os dias o exibicionismo grotesco de Bolsonaro, sem máscara, seguido de ministros e seguranças sem proteção, sempre combatendo a ciência e a vacina.

Fizeram um evento da extrema-direita em Brasília em que todos, incluindo autoridades do governo, circulavam sem máscara. A Anvisa vai dizer que isso não é com ela, que só trata de transgressões de jogadores argentinos. Mas seria com ninguém?

A Anvisa fez a performance do xerife de Bolsonaro num estádio, ao vivo, só porque os jogadores são argentinos. Não fariam nada se fossem venezuelanos, ucranianos, chilenos ou dinamarqueses.

O interessante é que parte da esquerda das redes sociais, por achar que a Anvisa é vista como organização legalista, defendeu a ação espalhafatosa dos fiscais de Bolsonaro.

Essa esquerda acha que as leis devem ser cumpridas e que precisamos aplaudir ações, mesmo que tardias, na direção da proteção coletiva. É muita ingenuidade. Bolsonaro jogou para a torcida que o espera na Avenida Paulista na terça-feira.

A esquerda que exalta os homens da Anvisa acaba aplaudindo Bolsonaro e dando corda ao fascismo excitado pelo show no estádio antes do porre golpista do 7 de setembro.

PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email