Um STF agonizante

O cientista político e professor Robson Sávio destaca que o STF "se ajoelhou frente às pressões da mídia empresarial, apequenou-se com os ataques das milícias virtuais, flertou com o totalitarismo, ficou refém do ministério público, deu as costas aos interesses nacionais, assistiu passivo uma gangue de trogloditas tomar de assalto o poder, viu as instituições serem enxovalhadas e, depois, destruídas". "Agora", diz ele, "o STF provará do próprio veneno"

Um STF agonizante
Um STF agonizante (Foto: Dorivan Marinho/STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O STF se ajoelhou frente às pressões da globo e da mídia empresarial que exigiam uma ruptura democrática disfarçada de legalidade.

Acovardou-se quando a extrema direita e os ultraliberais exigiam a vingança contra seus inimigos (os que defendem um estado social).

Apequenou-se, como um adolescente medroso, com os ataques das milícias virtuais.

Flertou com o totalitarismo quando um juiz de piso rasgou, mais de uma vez, a constituição e foi protegido pela corte.

Ficou refém de um ministério público que despreza o processo acusatório, consagrado na CF de 1988, e só aceita justiça inquisitorial, à moda da justiça penal do inimigo.

Deu as costas aos interesses nacionais quando havia evidências da interferência estadunidense nas ações e processos da lavajato.

Assistiu passivo uma gangue de trogloditas tomar de assalto o poder, primeiro com os corruptos liderados por Temer; depois, com as irregularidades flagrantes no processo eleitoral de 2018.

Viu as instituições serem enxovalhadas e, depois, destruídas.

E os capapretas, qual deuses de um Olimpo decadente, continuaram a ostentar uma autoridade pra inglês ver.

Agora, o STF provará do próprio veneno.

#ComOSupremoComTudo

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email