Um tiro no pé do governo

A política de “Armas para todos, comida para poucos” do presidente Jair Bolsonaro, implementada desde sua posse, fez mais uma vítima

www.brasil247.com -


A política de “Armas para todos, comida para poucos” do presidente Jair Bolsonaro, implementada desde sua posse, fez mais uma vítima.

Dessa vez, a vítima foi uma funcionária da companhia aérea Gol, ferida por estilhaços, felizmente sem gravidade, quando o ex- ministro da Educação (?) Milton Ribeiro, antes de embarcar para São Paulo, na noite desta segunda-feira (25), disparou acidentalmente a arma que transportava.

O acidente ocorreu quando Ribeiro estava no balcão de check-in da companhia aérea Latam mexendo no revólver dentro de sua pasta na tentativa de tirar a munição. Menos mal. Se o disparo ocorresse durante o voo, e o tiro atravessasse a fuselagem do avião, o acidente poderia causar a queda da aeronave e a morte dos passageiros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente interrompeu uma importante cavalgada no interior de São Paulo e ligou imediatamente para o ministro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Eu já posso prever como foi a conversa entre os dois:

- Milton, quem está falando é o Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- Fala, Mito!

- O que houve nessa ‘cuestão’ daí, dos tiros no aeroporto? Tá maluco, Milton? Você quer acabar com a minha campanha de “Armas para todos?”

- Não, presidente, sinto muito, foi um acidente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- O que uma pessoa da sua idade estava fazendo no aeroporto com uma arma? Você pretendia sequestrar o avião? Você agora virou terrorista, também? Isto é coisa de comunista, taokey.

- Quê isso, presidente!! Foi o senhor mesmo que disse que todo cidadão de bem tem que andar armado, não foi?

“Que parte ele não entendeu do ‘cidadão de bem’?” - pensou o presidente.

- E mais, presidente, depois que estourou o caso de corrupção dos Pastores, dos ônibus superfaturados e dos kits de robótica, eu tenho tido uns pesadelos estranhos. Outro dia, acordei com a sensação de que haviam pessoas no meu quarto, debaixo da cama. Eram procuradores, juizes do TSE, delegados da Polícia Federal, agentes da Receita, pastores… eu vi até o pessoal do Centrão.

- Foi só um pesadelo, Milton. Ninguém está atrás de você.

- Não, não! Eles queriam me denunciar, me prender, acabar com a minha reputação…

- Pare com essa mania de perseguição, Milton!. E deixe essa arma em casa.

Você não sabe manusear nem uma caneta, quanto mais uma arma. Não foi à toa que eu te demiti, taokey.

- Olha quem fala!! O cara que foi assaltado e ainda lhe tomaram a moto e a arma - sussurrou entre os dentes o ministro.

- Isto daí é outra ‘cuestão’, taokey. Espero que esse tiro não respingue no meu governo. Já tô cheio de problemas para livrar a cara do Daniel da Silveira; abafar o caso da ‘rachadinha’; explicar o cheque do Queiroz, na conta da primeira-dama; o caso das vacinas superfaturadas…

- Mas o senhor não diz que no seu governo não tem corrupção…

- Enquanto não investigarem, não tem, taokey.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email