Uma concessão pública não pode ser usada por uma religião

A chacina de nove negros em uma igreja nos Estados Unidos, o incêndio em uma igreja em Israel e um ataque a um templo místico no Rio, todos num só dia (18/06), são uma pequena amostra da crescente intolerância dos novos tempos

A chacina de nove negros em uma igreja nos Estados Unidos, o incêndio em uma igreja em Israel e um ataque a um templo místico no Rio, todos num só dia (18/06), são uma pequena amostra da crescente intolerância dos novos tempos
A chacina de nove negros em uma igreja nos Estados Unidos, o incêndio em uma igreja em Israel e um ataque a um templo místico no Rio, todos num só dia (18/06), são uma pequena amostra da crescente intolerância dos novos tempos (Foto: Rubens José da Silva)

O extremismo religioso cresce em todo mundo. A fraternidade tem perdido espaço para a intolerância.

A chacina de nove negros em uma igreja nos Estados Unidos, o incêndio em uma igreja em Israel e um ataque a um templo místico no Rio, todos num só dia (18/06), são uma pequena amostra da crescente intolerância dos novos tempos.

O Brasil começa também a se entrincheirar em fundamentalismos que vão destruindo uma liberdade religiosa louvada por vários povos.

O caso da menina Kailane Campos, de 11 anos, agredida por uma pedrada na cabeça – segundo testemunhas, por um grupo de evangélicos – despertou uma campanha pelas redes sociais contra mais uma violência a praticantes de religiões de matriz africana.

Apesar da forte relação dessas religiões na formação de nossa cultura, o preconceito sempre existiu. Nas novelas, por exemplo, o tratamento é sombrio, se não, assustador. E as repetidas agressões não se restringem mais ao verbal ou a pichações e depredações, são físicas.

A não aceitação do diferente cresce em várias esferas. Não aceitamos que haja outra opção religiosa, política ou de comportamento. Nesse mútuo contágio, a intolerância recrudesce. E dessa toada vamos adquirindo um comportamento que se tornou regra: o pavio curto.

Muitos estão confundindo a afirmação de sua posição, que faz parte do jogo democrático, com imposição. Pensam que democracia se resolve num octógono.

Pois é assim que age, por exemplo, o "religioso" Silas Malafaia. Suas palavras são como socos e chutes àqueles que não seguem sua cartilha.

Justamente numa hora em que a escalada de violência toma proporções perigosas, a omissão de suas principais lideranças a uma veemente palavra de repúdio à agressão é mais que vergonhosa.

Não se trata de demonizar os evangélicos, pois estes também sofrem com o preconceito, mas as agressões repetem os mesmos algozes e vítimas.

Uma resposta para tais absurdos pode ser essa agressividade verbal de alguns pastores que não se restringem aos templos. Eles invadem as casas, via rádio e televisão, com uma pregação de total rejeição a outras doutrinas.

Uma concessão pública jamais poderia estar a serviço de uma determinada religião, já que pela Constituição o Estado é laico. As demais teriam que dispor do mesmo espaço.

A obtenção de uma concessão pública não é um leilão em que quem paga, leva.

E dessa superexposição, advém, também, o crescimento da bancada evangélica no Parlamento que, com raras exceções, misturam política e religião de uma forma alarmante.

Congressistas evangélicos impõem seu credo à pauta nacional. A chegada do soturno Eduardo Cunha à presidência da Câmara potencializou o risco.

A sociedade brasileira deveria exigir o fim dessa programação sectária. Mas com essa atual composição do Congresso os tempos vindouros não são nada animadores.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247