Uma democracia cambaleante entre o desespero bolsonarista e a euforia lulista

www.brasil247.com - Luiz Inácio Lula da Silva
Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: REUTERS)


Os dois meses que nos separam de 2 de outubro serão longos. É mais do que compreensível que as forças democráticas, especialmente a sua fração situada mais à esquerda, esteja ansiosa pela sua chegada, pois, afinal de contas, vem acumulando uma sucessão de derrotas desde, paradoxalmente, a vitória nas eleições presidenciais de 2014.

Exageros à parte, a expectativa dos apoiadores de Lula é de que, finalmente, é chegada a hora da redenção do país guiada pelo maior líder popular da história do Brasil e pelo partido que possui hoje os maiores índices de identificação – um partido que conseguiu reverter parcialmente, em pouco mais de 5 anos, o sentimento de aversão que teve seu ápice no ano de 2018.

A euforia da sua militância cresce à medida em que aumenta o desespero dos defensores do atual governo em relação à possibilidade de uma virada eleitoral suficientemente capaz de impactar a estabilidade das pesquisas que, há tempos, apontam uma consistente diferença de 10 a 20 pontos percentuais entre o ex-presidente e o atual presidente.

A questão é que euforia e desespero não são bons conselheiros e é aí que reside um dos problemas a ser administrado politicamente na disputa eleitoral que se avizinha e, também, no seu day after. Por razões distintas, as duas “emoções” podem alimentar riscos à democracia que lulistas querem salvar e bolsonaristas pretendem destruir de uma vez por todas.

O desespero dos bolsonaristas (a começar pelo do próprio presidente em exercício) vem potencializando o conjunto de tendências fascistas que os caracterizam, degenerando em ações de violência criminosa, por enquanto microscópicas, mas que, a qualquer momento, podem ganhar características massivas – o que, sem sombra de dúvidas, representa o maior risco à nossa cambaleante democracia.

Entretanto, a euforia de lulistas (impulsionada pelo ex-presidente) tanto pode se afirmar como um poderoso agente de mobilização como, contraditoriamente, pode se expressar como um sentimento que leva muito rapidamente à reversão de expectativas – o que por si só não consiste num risco à democracia que se pretende livrar dos aparelhos de respiração, mas, também e principalmente, reconstruir nos próximos anos.

Oxalá o desespero bolsonarista retorne à lata de lixo da história de onde nunca deveria ter saído e a euforia lulista cresça na sua capacidade mobilizadora, sem descambar para o seu polo oposto – a decepção.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email