Uma frente, urgente, para derrotar o genocida



Há poucos meses, todas as reportagens sobre política dos Estados Unidos exibiam a figura tosca, agressiva, debochada, machista e supremacista de Donald Trump. Como o último ano de seu mandato presidencial coincidiu com a pandemia, o povo daquele país teve o dissabor de experimentar os estragos de um governo ignorante, negacionista e autoritário, que tripudiava das opiniões de quem queria organizar a estratégia de combate ao Covid-19, com base nas evidências científicas e adiava providências obvias. Promoveu comícios sem distanciamento, nos quais a maioria não usava máscara. Sua aventura política terminou com a derrota nas urnas, não sem antes provocar centenas de milhares de mortes e sequelas da doença, prejuízos à economia, especialmente aos empregos, e vexames como a invasão do parlamento por uma horda de trumpistas dementes, que provocaram a morte de 4 cidadãos.

Biden assumiu em 20 de janeiro, há pouco mais de três meses, e com determinação política e serenidade, comandou a aceleração da vacinação, que fez a média de óbitos de 3 mil e duzentos por semana, em 10 de janeiro, para 717 em 20 de abril. Não desdenhou da ciência, ao contrário, empoderou os pesquisadores. Investiu o que foi necessário e estimulou a população a seguir as medidas de distanciamento, uso de máscara e higienização. Lançou planos muito ousados de estímulo à economia, apoio às famílias prejudicadas em suas rendas e às pequenas empresas. Além de um pacote de apoio à inovação tecnológica, vital para a corrida tecnológica, Biden propõe o aumento de impostos sobre o lucro das empresas e as rendas dos mais ricos. Convocou uma cúpula do clima e fez um pronunciamento memorável sobre o racismo sistêmico nos EUA, quando comentava a condenação do policial que sufocou e matou George Floyd.

Sabemos bem que os Estados Unidos são imperialistas e não temos ilusão de que Biden tenha qualquer autocrítica em relação à essa política estúpida de seu país. Mas tratamos aqui da política dele, de sua vice Kamala Harris e seu partido, para os assuntos internos e para a competição da maior economia do mundo com o pujante bloco asiático. E usamos esse exemplo para mostrar como um país pode superar suas crises e seus desafios.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aqui, o trumpista Jair Bolsonaro continua a destilar sua ignorância e seu deboche, negacionista, machista, racista, genocida e ecocida. Seus atos e omissões provocam a maior média de mortes do planeta, por Covid-19. A política externa, mesmo com a mudança de chanceler, é tosca e reforça uma imagem desastrosa. A economia padece, amarrada pela visão ultraliberal, medíocre de Paulo Guedes. Em 2020, foram derrotados no parlamento, quando a oposição e parcela da base aprovaram o auxílio emergencial de 600 reais e linhas de crédito para as micro e pequenas empresas, além de regras de suspensão dos contratos de trabalho e redução de jornada com apoio financeiro do governo. Este ano, adiou essas medidas e, quando aceitou, vieram atrasadas e muito menores que o necessário. Continuam praticando a religião do “teto de gastos”, que foi abandonada por quase todos os países, alguns na pandemia, outros bem antes, por estratégia de crescimento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A lambança mais recente aparece com o orçamento de 2021, cujo relator fez todo tipo de erros e trapaças, o que levou a um impasse, só superado com a ajuda de um senador do PT, Rogério Carvalho, que propôs um mecanismo para excluir certas despesas emergenciais do teto de dispêndios. Mesmo assim, é um orçamento totalmente fora da realidade, seja da economia nacional, seja da emergência sanitária e social provocadas pela pandemia. Bolsonaro ainda tem 20 meses de mandato e tudo indica que Paulo Guedes segue com ele. O Brasil vai ladeira abaixo e o Orçamento de 2021 só reforça isso. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A fome cresce, a desesperança avança e só uma ampla unidade política desenvolvimentista, em defesa da democracia e da soberania nacional, pode romper esse descalabro. Para liderar essa frente, há uma pessoa, experiente, provado na adversidade, que suportou 580 dias de cárcere para provar sua inocência e pode se colocar à disposição do povo sofrido, que foi enganado pela mídia e levado a votar no facínora genocida. Esse é Luís Inácio e está novamente diante do desafio. E nós, com ele, pra lutar em defesa do Brasil, democrático e justo, soberano e fraterno.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email