Uma inimiga invisível

Em tempos e templos brutos, como perceber o imperceptível, denunciar e penalizar abusadoras (es) poderosas (os) e afamadas (os) que agem dissimuladamente?



-Mas eu te avisei! 

De supetão me disse a amiga quando, angustiada, eu confessava o extenuante périplo em tratar das escoriações de uma relação de abuso emocional com uma pessoa pública.

-Essa doeu, pensei!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como esbraseantes flechas, as palavras foram, em silêncio, cortando minha carne e ecoando em um coro uníssono o veredicto final:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

-A ré sabia que estava em uma relação abusiva e é declarada culpada!

-A ré gostava de ser abusada: culpada! 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

-A ré escolheu conscientemente viver uma relação abusiva e por isso também declaramos: culpada!

Quem diria que pelas costas de um inofensivo bordão nosso de cada dia – “mas eu te avisei”- disfarçado de devoção, faria despontar uma lampejante dor e ainda revelaria o esconderijo secular “perfeito” de preconceitos estruturais enraizados em nosso inconsciente mas que, vorazmente, nos devoram dia a dia. Traduzindo em miúdos apenas um deles, como a crença popular martela a séculos: mulher gosta de apanhar e a culpa é sempre da vítima.

No entretempo dessa nossa morredoura existência, que teima em negar sua própria natureza e sobrevive às custas do mecenato de um avarento ego, que se crê perpétua majestade em um reino de ludibriados, é preciso ter boceta e culhão para olhar aquilo que não se vê ou que não se quer ver e levantar nossos catinguentos e empoeirados tapetes pessoais e coletivos odorizados com perfume francês, para fazermos constantes investigações internas e externas e descobrirmos onde essas malquerenças e malevolências encontram cômodas moradas e assim podermos desconstruí-las. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Urge também afinarmos as nossas percepções e conseguirmos olhar para além de títulos, cifrões, status, personas e aparências. São muitas as estatísticas provando que pedófilos, abusadores e abusadoras que cometem violências, nos frequentam, nos rodeiam e estão bem próximos e próximas de nós. Principalmente, visto que em maior número e constância, quando se trata de manipuladores e manipuladoras emocionais que carregam, com frequência, traços como o narcisismo exacerbado ou a perversão narcísica.

“A violência exercida pelo (a) perverso (a) narcísico (a) é silenciosa e a vítima a sofre de maneira silenciosa, porque se trata de uma violência velada e insidiosa, não assumida pelo (a) agressor (a), negada e denegada por ele ou ela, que sutilmente inverte a relação, acusando o outro de ser o culpado pela situação. Desta forma, a vítima se sente confusa e acaba por sentir-se culpada, o que, por sua vez, inocenta o (a) agressor (a)… Não é uma perversão explícita, mas ao contrário, imiscui-se no dia a dia, nas pequenas relações, nos pequenos atos, tendendo, assim, a passar despercebida”. (André Martins)

Mas não contemos com esses nossos tempos para investigações e afinações em se tratando de violências mais sutis e subjetivas e, ainda por cima, que são aceitas e naturalizadas no nosso dia a dia. Essa é uma lapidação que depende da disposição interna, da coragem e do compromisso de cada uma e cada um de nós, pois na leal dieta de toxidades da Bozolândia, minguadas são as pesquisas, artigos, debates e estudos sobre a violência psicológica e a perversão narcísica. Pouco se fala sobre esses temas com suas tetras e tramas e este fato em si já reflete as próprias características desse tipo de violência: ela é velada, ou seja, não a vemos. Ela é disparada com emocionalidades e nos pega pelo coração. Ela é urdida em sutilezas e suas táticas são primorosas e isso significa que eu ou você podemos cair em suas armadilhas a qualquer momento, salientando que um (a) manipulador (a) psicológico atuará onde ele (ela) terá o que sugar e suas vítimas são mulheres fortes e compassivas, cheias de energia e vivacidade. 

Como se não bastasse, ela ainda pode ser disfarçada de sedução, paixão, proteção e ciúmes, o que a faz ser naturalizada e popularmente benquista, aceita e alimentada todos os santos dias a cada minuto da sua e da minha vida. Na boa companhia do bônus extra-plus de ter se tornado o próprio tecido constitutivo de crenças individuais e coletivas que sustentam as nossas inter-relações, ela vem mantendo o topo do ranking da violência mais praticada contra as mulheres. Isso tudo com a proeza de ser a menos reconhecida, falada, confrontada, combatida e penalizada.

Vestida em “haute couture”, com seus chiques apetrechos de abusos emocionais e assédios morais, em época de coliseus contemporâneos onde ela pode ser degustada em horário nobre e utilizada como marketing em programas de Reality Shows com gigantes audiências, a violência psicológica é um portal aliciador para todos os tipos de violência: a sexual, a patrimonial, a física e a moral. E nesta metagaláxia, ela é onipresente e onipotente, perpassando e se metamorfoseando em todas elas. Sorrateira, ardilosa e inclemente, ela sabe como bombardear sem fazer barulho; é capaz de destruir sem deixar marcas físicas; e consegue aniquilar nossos grandes bens sem gerar prova alguma. Extremamente cruel com quem a pressente por perto, é uma inimiga silenciosa e invisível. 

Então, como lutar, superar e se libertar daquilo que não se vê e não se sabe?

“Para tampar seus problemas, uma pessoa com elevado nível de narcisismo costuma buscar uma ou duas vítimas próximas, não precisa mais do que isso, mas pode tornar-lhes a vida impossível” (Jean-Charles Bouchoux)

Um estuprador é um ladrão de corpos. E um (uma) manipulador (a) emocional é um (uma) sequestradora de almas. Após uma relação de violência psicológica, uma parte de nossa alma fica retida por um largo tempo nos domínios da pessoa agressora. E nesse circuito, como se não bastasse o sequestro em si e a luta para “vir a ser” novamente das vítimas, somos confrontadas com vãs desconfianças e acusações delirantes, advindas de uma sociedade fedorenta que vive enlameada e ensanguentada até o pescoço de preconceitos machistas, racistas, homofóbicos, transfóbicos e misóginos.

É importante introjetarmos que nenhum abusador ou abusadora chega dando murro na cara. Ao contrário. Eles e elas são inteligentes, encantadoras (es), atraentes, articulados (as), bem-humoradas (os) e mestres na arte da sedução, que posteriormente se converterá em todos os tipos de manipulação. Quando percebemos, já entregues para o amor, estamos completamente enredadas em uma teia e Inês é morta! Dependentes, com medo, culpadas, muito fragilizadas, sem forças ou energia, não conseguimos mais reagir e lutar. Quem assistiu a série “Maid” (Netflix) e passou por isso, soube bem reconhecer aquele terrível e fundo buraco sem saída. É preciso pedir ajuda. Mas nós também precisamos estar atentas às mulheres em nossa volta, abertas (os), dispostas (os) e organizadas (os) para ajudar.

Quando o (a) abusador (a) é uma pessoa pública, possuidor ou possuidora de capital artístico, político, financeiro ou social, o sofrimento e a dificuldade das vítimas em falar e denunciar se multiplica e perpetua ainda mais. Quando a abusadora se trata de uma mulher e o abuso se manifesta em uma relação homoafetiva, o buraco é mais embaixo ainda. 

Assuntos dolorosos não contemplados, assumidos, olhados ou debatidos à exaustão, acabam beneficiando o submundo das violências. E como a violência psicológica é feita de reticências, subjetividades, subentendidos e pelos não ditos, essa lacuna faz aumentar dores e sofrimentos. Uma vítima mulher, lésbica ou bissexual, passando ou que passou por violência em uma relação homoafetiva, sofre em total silêncio, desamparo e solidão. Já é tempo de abrirmos nossos olhos para isso e encararmos de frente, com a cuca e o peito aberto, esse problema.

Cutuquemos, falemos e olhemos, então, para assuntos tabus, polêmicos e desconfortáveis, que não queremos, conseguimos ou podemos ver e perceber. Voltemos ao capital. Uma (um) abusadora (or) empoderada (o) e afamada (o) contará com uma “boa” estrutura e o suporte pleno da sociedade, e suas tendências narcísicas serão alimentadas diariamente nas redes. Dependente, viciada e obcecada (o) pela própria imagem - que crê faz sua roda pessoal e profissional girar – é comum eles ou elas se fortalecerem com ações de caridade, engajamentos em causas sociais ou discursos contundentes políticos, e ao mesmo tempo que afirmarão publicamente manter seu ego e sua vaidade sob controle, necessitarão de suprimentos narcísicos constantes e sobreviverão graças ao uso e a manipulação dos sentimentos das pessoas que as (os) cercam.

"Para essas pessoas, o céu é o limite. Elas vão acabar com tudo o que significa a existência do outro, e o efeito é devastador: uma das relações mais destruidoras que pode existir para qualquer ser humano...As ações do (da) perverso (a) também podem levar à morte. Ele (ela) vai eliminar tudo o que constituiu o outro: sua moral, sua estética, seu trabalho e por aí vai. É comum a vida da vítima entrar em colapso”. (Silvia Malamud)

Egoístas, atormentadas e emocionalmente imaturas, são incapazes de olhar pra dentro de si, de aceitar, conviver e administrar a intensidade das emoções, dos sentimentos e da vida. Não suportando a própria existência acabam terceirizando seus problemas, dificuldades e responsabilidades pessoais para advogados (as), secretárias, assistentes, cozinheiros (as), médicas (os) ortomoleculares, diaristas, empresárias (os), produtores (as), cuidadores (as) de cachorro, dermatologistas, motoristas (nada contra essas honradas profissões e seus / suas profissionais). Quando surge um conflito - e a vida é repleta deles - ou um ex-membro de seu reino de ludibriados se rebela apontando algum hiato a (o) contrariando e mostrando que a vida é muito maior do que o seu próprio umbigo, prepare-se para ser intimidado (a), chantageado (a) ou ameaçado (a) a qualquer momento. A vida, nesse seu universo, se resume a poder, dinheiro, domínio e o controle que ela (ele) exerce com a objetificação e instrumentalização do outro para o seu próprio e único prazer.

“Uma pessoa perversa narcísica serve-se do outro para seus fins, e preocupa-se em fazer com que o outro se sinta culpado, a fim de que a vítima não a odeie por manipulá-la e usá-la, e para que, isto feito, não consiga tornar-se independente. A (o) perversa (o) narcísica (o) acredita (embora não o assuma ou admita) que, para sobreviver, é preciso usar o outro, sugá-lo, negá-lo e desrespeitá-lo.” (André Martins)

No documentário “Sobrevivi a R.Kelly” (Netflix) sobre o famoso cantor e compositor americano acusado pelo crime de tráfico sexual de mulheres e de menores de idade, essa dinâmica de manipulações, favorecimentos e cumplicidades fica transparente como a água. 

Chamou-me muito a atenção que, mesmo depois da circulação de um pavoroso vídeo, onde o cantor aparece abusando sexual e psicologicamente de uma menina de 14 anos, espantosamente as pessoas ainda o adoravam e consumiam sua música. A jornalista Anne Powers, uma das entrevistadas do documentário, diz: ‘Ninguém quer abrir mão da música que ama e ninguém quer pensar mal do artista que eles amam”. Mas a história de R.Kelly, infelizmente, não é a única. Elas sempre são muito parecidas, se desenrolam como se os (as) agressores seguissem um tutorial e bem debaixo do nosso nariz, existem adorados lobos e adoradas lobas em pele de cordeiro, que têm seus abusos impunes há anos e suas vítimas vêm sofrendo em um silêncio avassalador. Nada nesse país, nem o sistema judiciário (moroso, corrupto e preconceituoso), nem os seus profissionais (a grande maioria inacessível), nem a indústria de entretenimento (elitista e arrogante) e muito menos a sociedade como um todo, favorece o rompimento do silêncio de uma vítima e a reparação de todos os danos sofridos, ainda mais se a vítima é uma mulher, negra, lésbica, trans, pobre ou desconhecida. 

Em uma era de epidemia do narcisismo, com um consumismo galopante, a autopromoção nas redes sociais e a busca da fama a qualquer preço, de novo e de novo precisamos levantar nossos catinguentos e empoeirados tapetes para olhar o que nos move e o que move uma “sociedade do espetáculo”, com o empobrecimento, a subordinação e a negação da vida real. 

Por consequência, a nossa relação com a fama, com pessoas famosas e “celebridades” também precisa ser re-vista. A reação incessante de veneração, a negação de limites, falhas, tristezas e angústias e a cumplicidade de boa parte da sociedade com essa cultura da idolatria e glamorização, até mesmo quando uma denúncia com provas vem à tona, como no caso acima, beneficia a perpetuação de abusos e injustiças. 

Ou ainda favorece a ilusão de que essas “celebridades” e suas idealizadas “personas” são intocáveis. A cada post ou vídeo, o narcisismo será nutrido por milhares de comentários bajuladores e excessivos, que as fazem se acharem “deusas”, musas”, “perfeitas” e pior, acreditarem que é possível sentir satisfação o tempo todo, diminuindo assim sua capacidade de enxergar e suportar a realidade.

Todavia, o efeito desse “jogo das redes” é devastador “como matar a fome com gelatina: engana, mas por pouco tempo” (Hemir Barição) e a realidade prontamente baterá em suas portas, ou melhor, em suas macias e confortáveis camas onde elas afundarão, com grande estilo, em seus miseráveis mundos emocionais. Mas não sem antes arquitetarem vinganças, veladas ameças, perseguições e difamações que deixarão suas presas, mais uma vez, atônitas e sem reação para assim, “aliviadas”, provocarem o fechamento de suas pesadas pupilas com bolas de dormir, sem se darem conta de que a vida é implacável com a sua natural lei do retorno e, mais cedo ou mais tarde, suas máscaras cairão. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email