Uma mulher, sem ‘bom mocismo’, define muito bem o marreco de Maringá, o cafona e analfabeto Sérgio Moro

Sérgio Moro é o típico covarde que se esconde por detrás de instituições poderosas, da mídia, de parlamentares, de apoiadores ignorantes como ele para destruir o Brasil e perseguir pessoas usando um discurso tosco, raso, analfabeto, moralista e calunioso ao invés de enfrentar o debate democrático, honrado e honesto, de peito aberto

(Foto: Marcelo Camargo - ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Como sempre afirmo,  é enojante a postura da maioria dos/as jornalistas puxa sacos e covardes ao tratarem os piores seres humanos que invadiram o Estado brasileiro em busca de bajulações e de dinheiro, quando aludem ao miliciano Jair Bolsonaro como presidente e Sério Moro, o boçal canalha da republiqueta cloacal de Curitiba,  de ministro,  em afronta ao significado político desses títulos de servidores públicos, totalmente desonrados por estes e por todos os que ocupam cargos no sistema laranjal e miliciano,  corrupto e golpista que destrói o Brasil.

Felizmente há pessoas livres e corajosas que colocam o lixo nos containeres certos. Este é o caso de uma mulher. Tinha que ser.

Uma mulher com o olhar feminino para quem não é homem sedutor porque é agente do ódio, da ignorância, do fascismo e da traição à pátria. Sim, Sérgio Moro é o típico covarde que se esconde por detrás de instituições poderosas, da mídia, de parlamentares, de apoiadores ignorantes como ele para destruir o Brasil e perseguir pessoas usando um discurso tosco, raso, analfabeto, moralista e calunioso ao invés de enfrentar o debate democrático, honrado e honesto, de peito aberto. Claro que isso o canalha não o faz porque estes valores não compõem a ideologia dele nem o caráter deformado do traidor.

Mas a jornalista Bárbara Gancia sim, honrada, honesta e feminina, definiu em poucas palavras o perfil rígido de moribundo mau caráter, sem o uso ensaboado do bom mocismo,  conivente e covarde. Nesta sexta feira Bárbara publicou análise crítica do canalha de Maringá,  Sergio Moro, após o caipira tosco posar sozinho ao lado de uma estátua de Winston Churchill, em Toronto, no Canadá. Com olhar clinico, Gancia, que desmontaria o fujão de debates e ladrão da verdade , Moro é inimigo da democracia e também a antítese do sexo.

“Esse rapaz me deprime. Feio por dentro e por fora, ignorante, analfabeto, cafona, megalomaníaco e mau-caráter. E esganiçado. Antítese do sexo. Desgraçado (sem graça) e enfezado (entupido de fezes). E ainda por cima inimigo da democracia”, escreveu a jornalista Bárbara Gancia em sua conta no twitter.

O moribundo  analfabeto e despreparado, no entanto, é o ídolo dos coxinhas, instrumento útil do fascismo e sabotador do Brasil a mando das corporações do petróleo, das empresas de infra estrutura internacionais e da democracia. Sério Moro é ser humano infinitamente mais degradado e degradante do que a estátua enferrujada de Winston Churchill.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247