Uma nota de loucura humana tocada por Bolsonaro em Davos

Para desespero dos ambientalistas, que dizem que seu governo representa uma séria ameaça para os pulmões do mundo, o novo presidente falou durante o Fórum Econômico Mundial de Davos esta semana

Uma nota de loucura humana tocada por Bolsonaro em Davos
Uma nota de loucura humana tocada por Bolsonaro em Davos (Foto: Alan Santos/PR)

Nem Trump, nem Macron, nem May. Merkel dificilmente poderia ser contabilizada como uma campeã de vendas. Não enfrentando nenhuma competição, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, o ex-paraquedista alegremente adotado pela mídia ocidental como "O Trump dos Trópicos", dificilmente teria sido ofuscado no Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos e surgiria como o novo salvador do capitalismo global.

Ora, a primeira dança do debutante no baile geoeconômico deu o que pensar ao Homem de Davos (e, em escala muito reduzida, à Mulher). Afinal, ele vinha prometendo privatizações sem entraves, reduções de impostos, a derrota definitiva dos "comunistas" e uma liquidação sem precedentes de ativos brasileiros suculentos. Isso soava melhor do que a caipirinha - o coquetel nacional – acompanhando um banho de sol.

Bem, o sonho durou seis minutos completos.

Bolsonaro disse ter "assumido o cargo em meio a uma grande crise ética, moral e econômica" e que agora mudaria a história brasileira. Ele ressaltou que seus ministros estão comprometidos com o combate à corrupção e a lavagem de dinheiro. Bem, talvez não a corrupção de seu filho Flavio, já envolvido em um escândalo multifacetado que tem todos os contornos de uma lavagem de dinheiro, combinado com uma obscura associação com uma milícia, O Escritório do Crime, no Rio de Janeiro.

Bolsonaro, porém, foi categórico; o Homen e a Mulher de Davos devem sentir-se seguros para visitar o Brasil - com suas famílias - sem tornar-se reféns de uma nova versão de Pelotão Militar de Elite.

Dinamismo e desmatamento?

A nível internacional, ele jurou que as relações seriam mais "dinâmicas" e sem "viés ideológico" sob a autoridade do novo ministro das Relações Exteriores Eduardo Araujo, um joão-ninguém da diplomacia que acredita que a sigla "BRICS" é uma invenção satânica.

Bolsonaro foi brilhante quando declarou ser o Brasil "um paraíso", acrescentando, "nenhum outro país no mundo tem tantas florestas como nós temos."

Bem, o destino desses pulmões do planeta terra podem ser o de tornar-se um novo Sahara, já que Bolsonaro transferiu o controle das reservas indígenas brasileiras para o Ministério da Agricultura, subsidiária, na prática, do lobby do poderoso agronegócio.

A mensagem de Bolsonaro referente à Amazônia não poderia ser mais, como diria, "transparente": "Agora é a nossa missão fazer progressos na harmonização da preservação do meio ambiente e da biodiversidade, com o tão necessário desenvolvimento econômico."

Lord Nicholas Stern, da London School of Economics, escreveu um ótimo e detalhado relatório sobre a economia das mudanças climáticas.
Em Davos, Stern disse: "Bolsonaro, foi eleito para lidar com a violência e a criminalidade que mata entre 40 e 50.000 pessoas por ano. Intuo que mais de 100.000 morram por poluição atmosférica."

Ele disse ter ressaltado a necessidade de proteger a floresta amazônica com o czar das finanças e Chicago Boy máximo de Bolsonaro, Paulo Guedes, quando se encontraram em Davos.

É fácil imaginar a reação da equipe Bolsonaro à nova série de Sir David Attenborough na Netflix, alertando o Homem (e a Mulher) de Davos que o Holoceno terminou; que o Jardim do Éden já não existe mais; e que a loucura humana com o meio ambiente impeliu-nos a uma nova era geológica, o Antropoceno.

Todos fugiram da plantação

No capítulo Salvando o Capitalismo Global, Bolsonaro não fugiu ao rigoroso roteiro de Davos: impostos baixos, "reforma" de previdência, mega-privatizações, e redução do "imenso peso" do Estado. Ao encerrar com "Deus acima de tudo"; lembrou mais Trump do que Xi. E então, foi embora, substituído por Mike Pompeo via satélite.

Pode ser alegado que a luta por espaço de 1.500 jatos particulares além do perpétuo engarrafamento de limusines – que dizem muito sobre a consciência ambiental das elites presentes - teve mais impacto do que os seis minutos de fama de Bolsonaro em Davos. Robert Shiller, o Prêmio Nobel de Economia em 2013, disse que Bolsonaro "lhe dá medo".

Outra nota fora de tom: A versão em inglês da entrevista minimalista dada pelo presidente quando ele chegou em Davos - mais tarde ele se esquivou da conferência de imprensa necessária - revelou que no topo do governo Bolsonaro ninguém fala decentemente inglês. E um dia antes nem mesmo seus ministros e assessores próximos sabiam o que ele ia dizer.

Não admira que a notória massa de "investidores estrangeiros" preferirá brindar com champanhe a verdadeira mercadoria em voga: a China.

No painel sobre risco financeiro global, o vice-presidente da Comissão Reguladora de Valores da China, Fang Xinghai, enfatizou: "Não devemos dramatizar. A China está desacelerando, mas não será um desastre" acrescentando que graças às estratégias de Pequim foram "evitadas crises financeiras ao longo dos últimos 40 anos", algo que nunca acontece no espaço do G-7.

Como já era de se esperar, vozes na Cidade de Londres estão ecoando Davos em seu extremo temor dos "autoritários populistas" e da "democracia não liberal" – acrescentando um adendo, um tanto quanto condescendente, de que, ainda que Trump seja um populista de direita com traços autoritários como Bolsonaro, ele oferece menos riscos por ser controlado pelas "Instituições Americanas".

Com insights tão lamentáveis como esse, o Homem (e a Mulher) de Davos estariam melhor servidos para saber de que lado sopra o vento, se mergulhassem no "Twilight of the Elites, Prosperity, the Periphery, and the Future of France" [Crepúsculo dos Elites: prosperidade, periferia, e o futuro da França], livro publicado recentemente em inglês pelo geógrafo Christophe Guilluy, pela Yale University Press.

Coletes Amarelos
Escrevendo dois anos antes do advento dos coletes amarelos - Guilluy mostra de forma convincente como, mais uma vez, tudo gira em torno da luta de classes. Mas agora, a classe trabalhadora "se recusa a ser escravizada por seus antigos mestres políticos e culturais".

Ele elogia o surgimento de uma "contra-sociedade que está em ruptura em todos os aspectos com o modelo econômico e social das classes dominantes. Dos subúrbios à geografia periférica da França, as implicações dessa mudança afetam todos os que pertencem à classe trabalhadora ... todos eles fugiram da plantação e não voltarão mais ".

Pouco importa se Macron evitou Davos; ele terá de lidar com a vida real (e ele não sabe como).

Será que Davos sobreviverá como um sketch descartável da série cômica Monty Python´s Flying Circus, já velha de 50 anos? Ainda que não sobreviva, a liquidação do "paraíso" Brasil não salvará o capital global.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247