Uma "voadora" (de pés de barro)

A população testemunha, cabisbaixa, aos estragos, aqui e no mundo, feitos à imagem do Brasil. Uma olhada no panorama internacional mostra que temos companhia e que, mesmo nesta fotografia, não nos saímos bem. Para consertar o volume do prejuízo, bravatas não bastam



Bravatas são sempre facas de dois gumes. Habituais nos jogos de azar, nos quais a vitória depende, muitas vezes, do virtuosismo na arte de enganar, ressurgem nos esportes em que a confiança também pode determinar a atuação dos jogadores. Nas lutas corporais, não deixam de sugerir insegurança travestida de coragem, e podem antecipar grandes derrotas. Finalmente, na política, representam recursos perigosos. Não se sustentam e, frequentemente, dão lugar a desmentidos nos métodos de avaliação. O que se considerava positivo, cede ao negativo, com a consequência da desvalorização dos prognósticos. E note-se que um Presidente, quando fala, tem a obrigação de olhar para o presente, o passado e o futuro, sendo cobrado por isso. É como dizer que a economia de um país vai bem, em expansão, quando todos percebem no bolso a dificuldade financeira. Ou destacar que os preços baixaram e se constatar no supermercado que não, que até subiram, reduzindo a renda do trabalhador.

O governo atual, cujo dirigente não dá a impressão de haver lido mais dos que os manuais para iniciantes, não obedece, nesse plano, à prática da prudência. E logo a realidade, comumente disposta a mostrar a cara (e não há como fugir dela), reaparece para botar os pingos nos is. 

Em contato com a imprensa, querendo contar vantagem, Jair Bolsonaro declarou que daria uma “voadora no pescoço” de quem, em seu governo, se envolvesse com a corrupção. Nas artes marciais, dão o nome de “voadora” a um golpe que combina um chute com um movimento de perna visando o rosto do adversário. Tratava-se de uma bravata desmontada, em seguida, pela força dos fatos: o vice-líder no Senado Chico Rodrigues (Dem-RR), detido e examinado pela Polícia Federal escondia dinheiro na cueca. E era o mesmo a quem o primeiro mandatário distinguia dizendo manter com ele, depois de tantos anos, uma “união estável”. Escancarada, a jactância caiu por terra. Teria sido melhor permanecer calado. Lembremos, a respeito de “voadoras” o envolvimento dos filhos em suspeitas de irregularidades, não obstante os esforços do pai em protegê-los e, se possível, apagar os rastros da má-conduta. Assim, para seus aliados, torna-se difícil defendê-lo. No mesmo diapasão, com maior gravidade ainda, podem-se colocar as posturas oficiais ao lidar com a pandemia do coronavirus, minimizando, desde o início, os efeitos desastrosos que traria para a saúde pública. A atitude de desleixo cresceu até ao ponto de entregar o Ministério da Saúde a um general sem qualificação para a pasta, a não ser a farda. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sente-se agora que o uso da bravata, nas artimanhas da administração pública, não se restringe a dois ou três detalhes. As sucessivas pesquisas de opinião, com índices favoráveis à sua imagem, não bastam para dizer que acertou ou está acertando. Somente o apoio das elites, as que o guindaram de um mandato medíocre de deputado federal para a Presidência da República, justifica a falta de providências, se não para removê-lo do poder, com uma “voadora”, pelo menos para controlá-lo. Para elas, é uma segunda experiência lamentável, depois de Collor de Mello, na manipulação dos processos eleitorais. Enquanto isso, a população testemunha, cabisbaixa, aos estragos, aqui e no mundo, feitos à imagem do Brasil. Uma olhada no panorama internacional mostra que temos companhia e que, mesmo nesta fotografia, não nos saímos bem. Para consertar o volume do prejuízo, bravatas não bastam.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email