Unidade contra o fascismo, em defesa da democracia

A construção da unidade em torno da democracia para combater o discurso de ódio que se alastra na sociedade através de falsos salvadores da pátria

Unidade contra o fascismo, em defesa da democracia
Unidade contra o fascismo, em defesa da democracia

O assassinato da vereadora Marielle Franco foi fator determinante para despertar olhares em torno do momento trágico que chegamos perante a fragilidade da democracia. Na semana seguinte, foram 5 jovens ligados à UJS e membros da Nação Hip Hop executados em condomínio de “Minha casa, minha vida” em Maricá, RJ. Mais recente, o grave tiroteio à caravana de Lula que passava pelo Paraná.

O ponto é que agora estão em ameaça não apenas avanços sociais ou a garantia de direitos básicos e condições para a retomada do desenvolvimento econômico de nosso país, mas a própria democracia como a conhecemos. Pois não são fatores isolados, muito menos meras coincidências, mas reflexo de discurso perigoso que cresce no seio da sociedade.

Aliás, o estado de exceção tornou-se evidente. Onde antes se configurava em pautas-bomba no congresso e percorreu caminho de forte ataque aos movimentos sociais, sendo através de repressões em manifestações ou mesmo alterações na legislação, hoje caminha para a aniquilação física daqueles que se organizam na disputa do projeto de país.

O ódio que se alastra pela sociedade através de discursos fascistas tem se materializado em chacina através, incluso, de grupos paramilitares que se organizam em contramão da democracia, cuja qual nos foi tão cara construir. Este há de ser combatido diariamente, mas requer centralidade na ação, pois com fascismo não se brinca, jamais.

Preocupa o esfacelamento das instituições, que por consequência, ao mesmo tempo, fortalece tais grupos ditos independentes no imaginário de uma sociedade cada vez mais cansada da política. Eis que, nos cabe compreensão, pois aos que diariamente atacam o caminho da política, apenas fortalecem tais grupos e seu crescimento enquanto salvadores da pátria.

Apesar das diferenças de projeto de país, mais do que nunca nos é necessário garantir uma frente democrática antifascista, que cumpra tal papel de denúncia e fortaleça a garantia das eleições de 2018, a qual, tendo em vista cenário caótico, segue cada vez mais ameaçada.

É necessária postura energética, pois há vidas em jogo. Irresponsabilidade eleitoreira, como a de Alckmin sobre o tiroteio afirmando que “o PT colhe o que planta”, deve ser exposta como tal, pois apenas legitima ações radicais de bandidos que ferem nossa democracia.

Por fim, a frente ampla se culmina em unidade democrática e esta deve ser construída pelo conjunto daqueles que se colocarem à disposição de combater o fascismo, pois o isolamento proporcionado por pequenas vaidades e diferenças pontuais é a cartada final daqueles que buscam consolidar o golpe que se enraíza no país e no prato vazio do povo brasileiro.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247