Unidade PT-PSOL é uma virada histórica e aponta novas dinâmicas para o país

Mauro Lopes anota que a unidade da esquerda brasileira é evento de alto impacto e abre possibilidades ainda difíceis de mensurar

www.brasil247.com - Lula, Haddad, Boulos, Juliano, Gleisi
Lula, Haddad, Boulos, Juliano, Gleisi (Foto: Ricardo Stuckert | Reprodução/Facebook)


Por Mauro Lopes

A semana política do país está pautada por dois eventos de enorme magnitude: a condenação de Deltan Dallagnol pelo STJ, que enterra o período macartista no país, e o anúncio da desistência de Guilherme Boulos à candidatura para o governo de São Paulo e seu apoio e do presidente do PSOL a Haddad e a Lula.

O primeiro fato refere-se ao passado que ainda subsistia como um fantasma pelos cantos. 

O segundo refere-se ao presente-futuro e é muito mais decisivo.

A união da esquerda brasileira tem repercussão tamanha e tão complexa que ainda é difícil de avaliar. É capaz de alterar as dinâmicas e equilíbrios e abrir horizontes amplos para o tempo que se abrirá com a provável eleição de Lula -e de Haddad.  

O trauma da cisão de 2004 causou feridas que se arrastaram por anos, com inimizades, acusações e ataques mútuos e de satélites tanto do PT como do PSOL. Nas bases do PSOL, as críticas a Lula eram ferinas; em franjas do PT, até recentemente, as acusações a Guilherme Boulos eram despropositadas.

Houve um início de reaproximação por conta do golpe contra Dilma e, a seguir, em função da prisão de Lula. Foi uma aproximação de resistência que, aos poucos, foi desmontando desconfianças e mágoas.

A resistência abriu caminho para este novo momento. Não se trata de resistir, mas de construir juntos, o que é de qualidade distinta.

O primeiro efeito do movimento em curso é sinalizar para toda a sociedade brasileira de maneira potente: a esquerda está unida.

O próximo passo é o projeto desta unidade, a indicar que a esquerda tem um programa para o país. Gleisi Hoffmann já anunciou que Boulos e o PSOL construirão em conjunto com o PT o programa de governo.

Enquanto isso, à luz do dia, vê-se a extrema direita e a direita em conflagração, sem projeto, oferecendo ao Brasil comércio e escândalos. 

A unidade da esquerda dará novo impulso ao processo de atração da centro-esquerda, do centro e mesmo setores desgarrados da centro-direita. Como um bloco, PT-PSOL e outras forças de menor expressão terão condições de apresentar à aliança ampla ao redor de Lula um programa progressista e arrancar uma plataforma comum. 

O que parecia utópico, concretiza-se.

Há vários protagonistas nesse processo. Lula, Haddad e Gleisi do lado do PT; Boulos e Juliano do lado do PSOL. 

Como anotou o cientista político Mathias Alencastro no programa Giro das 11 na TV 247, este conjunto de líderes traz uma novidade promissora para a esquerda: são três gerações de lideranças, a apontar um horizonte de curto, médio e longo prazo para pensar e mudar o país.

Lula com 76 anos, Haddad, 59, Gleisi, 56, Boulos, 39, Juliano, 38. A esquerda unida projeta líderes para os próximos 30 anos pelo menos. 


Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247