Velha política com terno Alexander Amosu!

Somos hoje um país que os velhos hábitos estavam apenas adormecidos, aguardando a oportunidade de sair da tumba e achar que não existe mais corrupção

www.brasil247.com -
(Foto: Bolsonaro)


“O centrão e a velha política acabaram”. Frase do presidente Bolsonaro ao lado de Fernando Collor de Mello e integrantes do Centrão. O que se entende de velha política seria a figura do coronel, dono de grandes áreas de pasto, escravos, com filhos entranhados nas profissões das quais poderia perpetuar sua influência, que exercia o poder local por meio da violência e trocas de favores políticos. Um universo que muitos conhecem apenas por novelas como Gabriela e séries como O bem amado. A despeito da fala do presidente, o significado seria substituir as barbas, bigodes, botas e por vezes um gibão de couro, por um terno azul-marinho da marca Alexander Amosu.

Somos hoje um país que os velhos hábitos estavam apenas adormecidos, aguardando a oportunidade de sair da tumba e achar que não existe mais corrupção, que as armas trazem segurança, que a gasolina está com preço aceitável, que a terra é plana e que o planalto não está cercado de milicianos. O termômetro verdadeiro está nas ruas. Antes do evento das lancheatas, o presidente da república foi vaiado quando foi comer pastel nas ruas. Uma vaia que se torna cada vez mais presentes em eventos que juntam a população, como shows e eventos. Apesar da COVID não ter terminado, ao arrefecer um pouco, está turbinando a indignação ao governo.

A revolta está colada como uma sombra nas costas de Bolsonaro. A qualquer lugar que vá, haverá a indignação comovida de um povo que sofre com os preços nos mercados, nos postos de gasolina e nas condições básicas de vida. Otto Lara Rezende tinha um sonho, da qual falava que andava pelas ruas do centro, quando ouvia alguém nas suas costas gritar: “Canalha!”. E continuava a andar de forma tranquila, certo de que não era com ele. No caso do mandatário do país, são muitos anos de prática ouvindo os mesmos gritos e simulando o melhor possível o gesto blasé. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A negação de Bolsonaro ao clamor popular é um mecanismo de defesa para afastar verdades chocantes. Assim como faz nas estratégias de cortina de fumaça na imprensa, para desviar a atenção de temas importantes. A sua negação é associada a sua dependência ao poder. De achar que é um rei déspota. Entretanto, negar a realidade não ajuda  a manter a saúde da mental, criando uma fachada de ilusões que acaba por levar a dizer que o país está ótimo. Dessa forma, acredita em mentiras muito bem fabricadas, deixando de ouvir conselhos sábios e interpretar eventos reais da forma como realmente são. Retomar o contato com a realidade parece não ser algo de curto prazo. E isso pode gerar os conflitos que antevê com a proximidade das eleições e o fim melancólico de seu mandato.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Acabou a corrupção" graças ao "acabou a investigação". Atacar frequentemente as urnas e agora ter todos os argumentos refutados, até pela CIA, leva a novas ideias, pois já se pronunciou dizendo que as eleições podem ser conturbadas. O TSE já falou que não haverá uma nova “Invasão ao Capitólio” aqui no Brasil, mas as investidas para venda de armas e a recorrente live das quintas do presidente, inflamando seus apoiadores mais radicais, pode sim, levar a tensões jamais vistas no país. Já vimos um xamã do QAnon tupiniquim em movimento bolsonarista na cidade de Niterói. Só que o xamã do QAnon verdadeiro, foi condenado a 41 meses de cadeia. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Anne-Louise Germaine de Staël-Holstein, mais conhecida como Madame de Staël, em seu Ensaio sobre as ficções, que defendia a relação do leitor ao autor; que mais tarde foi defendida por Proust; disse: “Todos estão perdidos no seu século. O século está perdido no tempo e o tempo está perdido no incompreensível”. Estamos perdidos em um mandato de horrores, de um presidente pouco respeitado e a caminho do precipício. Nossa obrigação é com dignidade, amor e vontade de mudar, transformar em votos, o desejo popular por um mundo melhor e mais justo.

Mas a pergunta que não quer calar: O que foi o Collor segurando a risadinha pelo canto da boca?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email