Vergonha: A OAB alia-se ao golpe

O Conselho Federal da OAB, diante de dois caminhos a seguir, preferiu o da indignidade, o do golpe promovido por ladrões, bandidos, aventureiros, entreguistas e corruptos

O Conselho Federal da OAB, diante de dois caminhos a seguir, preferiu o da indignidade, o do golpe promovido por ladrões, bandidos, aventureiros, entreguistas e corruptos.

A OAB apoiou o golpe sanguinário e impatriótico dado contra a democracia e a soberania nacional no dia 1º de abril de 1964. Depois, quando advogados sérios, engajados na luta pelos direitos humanos, foram desrespeitados, caçados, presos, torturados e mortos, a entidade retirou o respaldo indecoroso aos criminosos que ocupavam o poder para praticar o terror de Estado.

Agora, quando os/as democratas lutam contra novo golpe, a OAB presidida pelo choroso Claudio Lamachia, se distancia do cerne ético da justiça e se alia a Eduardo Cunha, réu por corrupção e muita sujeira, para engrossar o massacre aos direitos sociais.

O Conselho da OAB seguiu o mau conselho de gente como Lamachia e de outros golpistas pusilânimes para se juntar à borrasca dos/as antidemocratas.

Quer dizer, na encruzilhada da crise, quando milhões de trabalhadores/as, de intelectuais, de estudantes, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, das mulheres e do povo brasileiro erguem suas vozes em defesa da democracia, o advogado Claudio Lamachia viaja pelos estados para dobrar as seções a render-se covardemente aos traidores, favorecendo o golpe contra a democracia.

Quando o clamor contra o golpe se engrossa o conselho da OAB novamente se perfila ao lado dos mais mau carácter e criminosos comandantes da desordem política, social e econômica.

O povo pede justiça contra o massacre desrespeitoso de irresponsáveis e delinquentes do judiciário, das promotorias e da polícia federal, aliados da mídia e da burguesia golpista, enquanto a OAB faz o caminho da injustiça e da opressão.

Maldita opção a feita pelo Conselho da OAB.

Advogados mal formados, sem fundamentos sociológico, filosófico e histórico, analfabetos políticos e vazios, viram as costas para o povo brasileiro, para a democracia e para o Brasil.

Despetrechados de ética e imoralmente os advogados golpistas passam a mensagem de que grande pessoas do direito como Raymundo Faoro, anti golpista, Fábio Konder Comparato, advogado, professor da USP, escritor e pensador, grande democrata e defensor dos direitos humanos e sociais não valessem a pena e seus exemplos para nada servem.

Com sua atitude o Conselho da OAB nega os caminhos da justiça e do direito, assegurados pela Constituição Federal.

O indicativo que dá é de que o crime compensa e não a honradez.

O senso do direito dos cidadãos e das cidadãs brasileiros/as são estraçalhados quando não se pode mais contar com advogados/as da OAB, principalmente quando ameaçados/as na mais singela dignidade.

Dalmo Dallari nem Comparato servem como luzes da justiça, mas Eduardo Cunha, criminoso, vingativo, sujo e golpista é o ídolo da OAB rendida aos interesses mais mesquinhos.

Para o presidente da OAB as lutas pelos direitos humanos, pela emancipação e empoderamento das mulheres, contra o racismo responsável pela exclusão social e econômica de negros e de negras, pela defesa das culturas indígenas e dos homoxessuais não valem nada. O que vale são os maus exemplos dos golpistas e aventureiros que recebem polpudos salários como funcionários públicos da justiça e da polícia federal para veicular a desordem, para divulgar conversas privadas, para tumultuar a democracia e instalar a guerra civil em nosso País.

Sim, os maus exemplos, a corrupção, a vingança e a delinquência que vem de Curitiba são os valores exaltados pela OAB, que endossa o golpe.

Caso formos atingidos e nossos direitos feridos não mais contaremos com os/as advogados/as do Conselho presidido por Claudio Lamachia. Não, seu projeto é exatamente o contrário aos da Nação.

O caminho que o ressentido impõe à OAB é o de defender a sujeira, o golpe e os bandidos que ocupam tevs, páginas e microfones para difamar, mentir, caluniar e manipular as opiniões dos analfabetos políticos a favor do golpe contra a República.

Se os familiares de Lucas Gomes Arcanjo, o policial suicidado no estilo Vlademir Herzog, porque documentadamente denunciou Aécio Neves, comandante em chefe do golpe – e ídolo de Claudio Lamachia – buscarem a OAB para sua defesa e apuração dos assassinos não mais a encontrarão justamente porque seus/as advogados/as não defendem mais os injustiçados. Sua missão agora é o apoio aos criminosos e aventureiros golpistas.

Como se diz lá no meu Rio Grande do Sul: “estamos bem arrumados”!

Porém, felizmente, há advogados/as decentes e comprometidos com a justiça, não só a formal e da casa grande, mas com a ética e a social. A prova está na derrota e no vexame que impuseram ao golpista Claudio Lamachia quando este tentou ir à Câmara para entregar o pedido de impeachment contra a Presidenta Dilma, que seu grupo indecente entregaria para o não menos indecente Eduardo Cunha.

Tiveram que sair às pressas do recinto da contaminada casa do povo sob os gritos de “não vai ter golpe”.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247