Vida (política) de inseto

O apoio ao negacionismo levou os insetos a perderem uma porção considerável do verde à sua volta. Além disso, a comida anda pela hora da morte e nunca mais viajaram para outros bosques

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Era uma vez uma libélula. Apesar de suas funções biológicas pouco nobres, era querido pela maioria dos insetos. Não era um predador e, naquele ecossistema, passou a ter fama de conciliador. Ele sempre fora um bom negociador, em especial com a elite formada pelas abelhas-rainhas, borboletas e pirilampos. Popularidade, contudo, não assegura unanimidade. Os baratões, os louva-deus e as formigas-soldado não iam com as antenas da libélula.

Um dia, os insetos fizeram uma eleição geral e a libélula acabou vencendo: passou a ser o representante legal dos invertebrados na floresta. Inconformados, seus inimigos tentaram fazer uma campanha amedrontando a massa.

- Uma libélula mandando em vocês? Quem vai confiar num zé-ruela desses? – disparavam os vídeos da oposição no Horário Eleitoral Gratuito.

A disputa com o candidato baratão foi pau a pau, a moeda desvalorizou, mas não deu outra: a libélula levou.

Apesar dos choques constantes, a administração do novo líder foi até o fim do mandato. Durante a gestão, a comida baixou de preço, os insetos conseguiam viajar para outras matas e havia ninho para todos.

Pela Constituição, a libélula podia apoiar um sucessor. Apesar da tramoia dos louva-deus, baratões e formigas-soldado, a candidata libélula-fêmea tornou-se a primeira do gênero a governar os pequenos animais.

Diferente do antecessor, a mandatária era boca dura, vivia entrando em conflito com os opositores. O fato levou os baratões, na surdina, a bolarem um plano: levantariam o boato de que ela praticava atos ilícitos. 

Com a pressão das formigas-soldado junto aos grilos-juízes - e as emissoras de TV dos louva-deus alardeando o suposto crime de responsabilidade - a libélula-fêmea cairia. Igual a um mosquito da raquete elétrica.

- Ela maquiou o balanço do governo, é perigosa como um escorpião! – anunciavam as lideranças contrárias ao clã que detinha o poder.

A conspiração deu certo, a mandatária foi despachada. O ex-presidente libélula, após uma mensagem das formigas-soldado aos grilos-juízes, foi preso numa caixa de fósforos.

Hoje, a floresta tem novo líder: um morcego. Muitos analistas questionam a sua representatividade. Afirmam, tomando por base a Biologia, que morcegos não são insetos. No entanto, o próprio governo xipófago nega o fato, e a população acredita que o morcego é um deles.

O apoio ao negacionismo levou os insetos a perderem uma porção considerável do verde à sua volta. Além disso, a comida anda pela hora da morte e nunca mais viajaram para outros bosques.

Moral: é melhor duas libélulas na mão, que um morcego sugando.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email