Vidas negras importam!

A cor da pele conta para a compreensão da brutalidade, diz a deputada Benedita da Silva

www.brasil247.com - Emilly e Rebeca, vítimas num tiroteio em Duque de Caxias
Emilly e Rebeca, vítimas num tiroteio em Duque de Caxias (Foto: Reprodução)


João Alberto, Emilly e Rebecca. Mais vítimas da violência gratuita transformada em paisagem em nosso país. Mais pessoas negras vítimas do preconceito, do racismo que atravessa as relações sociais, pessoais e econômicas no Brasil.

Nosso país avançou muito até poucos anos atrás na cultura da diversidade, da tolerância, do respeito aos direitos e às diferenças. Foi a partir das lutas sociais, de políticas públicas e de avanços institucionais, todos eles impulsionados por um sentimento de solidariedade, que começamos a avançar após o silêncio imposto pela ditadura.

Neste momento, quem deveria continuar remando para a frente quer fazer o barco navegar para trás, retirar direitos, tornar normal que a juventude negra seja dizimada numa espécie de genocídio racial, que a população das favelas seja a principal vítima da pandemia. Que nosso trabalho, mesmo igual ao de um branco, tenha sempre uma remuneração menor.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O assassinato gravado e exibido de João Alberto é a face inevitável da violência que brota naturalmente do racismo estrutural. A execução das duas crianças também.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para muitas pessoas, pode parecer difícil compreender o que leva profissionais encarregados de dar segurança a descarregar tanta violência sobre uma pessoa desarmada, asfixiando-a por quatro minutos diante de outros tantos que assistem, filmam. Ou o porquê de a bala perdida sempre encontrar um corpo negro pela frente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A cor da pele conta para a compreensão da brutalidade, que é a outra face do preconceito, da omissão frente ao racismo. A intolerância é permitida contra os negros simplesmente porque somos vistos como “culpados” por sermos negras e negros.

Felizmente, os brasileiros não perderam a capacidade de se indignar. Os protestos são sinais da consciência crescente de que não haverá economia estável sem a inclusão da maioria da população, preta e parda. Assim como não há avanço civilizatório sem constranger a discriminação e o preconceito, sem o combate a perversões históricas como a escravidão, o apartheid e o racismo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os empresários e os governos precisam entender isso. Não é possível mais que seguranças de patrimônio e forças policiais ajam pelo princípio da culpa do negro. É preciso educá-los pelos princípios da tolerância.

Assim como a morte de George Floyd nos Estados Unidos abriu as mentes e provocou mudanças, as de João Alberto, Emilly e Rebecca também devem inspirar atitudes contra a injustiça e a impunidade. A Câmara dos Deputados, por iniciativa do colega Damião Feliciano, instalou uma comissão externa de deputados para acompanhar a investigação e cuidar para que o processo seja isento e ajude o Judiciário a fazer o julgamento correto. Da qual sinto-me honrada em participar. Também da Câmara tenho cobrado do governador Cláudio Castro que reveja estas operações policiais violentas nas favelas. Esta é mais uma herança do governo Witzel que precisa ser eliminada no nosso estado, para que possamos ter um Rio de Janeiro antirracista.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email