Virada de chave: Vamos tomar a vacina e as ruas!

Pode ser que Bolsonaro, inimigo do Brasil, venha a recrudescer e faça retaliações para dificultar que o mapa da vacinação no Brasil seja ampliado. Sua claque do ódio está enfurecida e, covardemente, tenta desqualificar e ameaçam a enfermeira Mônica, voluntária que recebeu a primeira dose da vacina, no Hospital das Clínicas de São Paulo onde trabalha

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Finalmente a vacinação teve início no dia 17 de janeiro, trezentos e dez dias aproximadamente, desde o início da quarentena, quando o Brasil assistiu a peleja entre a ciência e a ignorância. O presidente Bolsonaro entrou em depressão com a esperança da população, tanto que sumiu das redes sociais. 

A Anvisa, o Butantan e a Fiocruz mostraram que, apesar de todos as sabotagens de Bolsonaro para destruir as pesquisas e o início da campanha de vacinação, o Brasil tem servidores públicos comprometidos com o interesse público. 

Mesmo diante de uma quantidade absurda de corpos sendo sepultados por Covid-19 e da dor dos familiares, não houve um momento de empatia por parte do presidente da república, que seguiu firme na sua jornada a favor da morte, da propaganda nociva do tratamento precoce e do tensionamento político com os governadores. 

O agravamento em Manaus por conta da falta de cilindros de oxigênio, foi a gota d’agua para uma reação contra o genocida. Diante da falta de ação, quero crer por incompetência, do governo federal, que disse que nada podia fazer, o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em ato de solidariedade, mesmo que Bolsonaro tenha oferecido soldados para os EUA invadirem seu país, enviou caminhões com cilindros de oxigênio e médicos para Manaus. 

Pode ser que Bolsonaro, inimigo do Brasil, venha a recrudescer e faça retaliações para dificultar que o mapa da vacinação no Brasil seja ampliado. Sua claque do ódio está enfurecida e, covardemente, tenta desqualificar e ameaçam a enfermeira Mônica, voluntária que recebeu a primeira dose da vacina, no Hospital das Clínicas de São Paulo onde trabalha. 

A chave foi virada, houve panelaços, passeatas e carreatas pedindo impeachment, ainda tímidos, mas que tendem a crescer no ritmo da vacinação.  

Como postou Marcelo Freixo em uma rede: “É impeachment (do presidente) ou morte (dos brasileiros)”! 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email