Yin e yang

Como é ser a esperança, que projeta a semente e planta o sonho?

www.brasil247.com -
(Foto: Luanna Falcão)


Como é ser o vento, 

que asperge o pólen e arranca raízes?

Como é ser a nuvem, 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

que voa e não aterrissa?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como é ser a água,

que sacia e não tem sede,

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

que inunda e não se afoga?

Como é ser a chuva, 

que irriga a semente e alaga o bebê? 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como é ser o mar,

que abriga o tubarão e desterra o náufrago?

Como é ser a concha,

que é pequenina e canta como o mar?

Como é ser a pedra,

que não tem vida e sobrevive à morte?

Como é ser o cume, 

que amplia a visão e exila o abraço?

Como é ser o fogo, 

que assa o pão e incinera a partilha?

Como é ser a árvore, 

que gera energia e não pode sonhar?

Como é ser a ponte, 

que põe um pé em cada mundo e só existe de passagem?

Como é ser a cerca, 

que delimita o privilégio e não sente culpa? 

Como é ser a parede,

que abriga e não mora?

Como é ser a chave,

que penetra na fechadura e tem ciúme da maçaneta?

Como é ser a cortina, 

que fechada está aberta e aberta está fechada?

Como é ser a cama,

que é palco e não atua,

que é arena e não luta,

que dorme e não deita,

que deita e não dorme?

Como é ser o poço, 

que tem água e não tem sede?

Como é ser a coroa,

que reina e não governa?

Como é ser a bandeira,

que une a nação e tremula com o vento apátrida?

Como é ser o nó, 

que precisa ser desfeito e desfeito já não é um nó?

Como é ser o olho, 

que vê e não toca? 

Como é ser a mão,

que toca e não vê?

Como é ser a unha,

que cresce e não tem planos?

Como é ser o paradoxo, 

que existe como nó e inexiste como corda?

Como é ser a pergunta,

que tateia e hesita,

que hesita e duvida,

que duvida e formula,

que formula e indaga,

que indaga e afronta,

que afronta e amplia,

que amplia e acua,

que recua e teme,

que hesita e tateia?

Como é ser a resposta,

que tateia e hesita,

que hesita e formula,

que formula e descobre,

que descobre e ousa, 

que ousa e revela,

que revela e afronta,

que afronta e disputa,

que disputa e acua,

que recua e teme,

que hesita e tateia?

Como é ser o desejo, 

que tem sede e não tem boca?

Como é ser o ódio,

que quer matar o inimigo e precisa dele vivo?

Como é ser o passado,

que poderia ter sido e não foi,

que foi e não volta, 

que volta e dói? 

Como é ser a memória,

que tropeça e se lembra,

que encontra e perde,

que culpa e engana,

que se encontra e perde,

que se culpa e engana, 

que encontra e se perde,

que culpa e se engana,

que se encontra e se perde,

que se culpa e se engana,

que se lembra e tropeça?

Como é ser a mentira,

que humilha a confiança e pode vendar a dor?

Como é ser a verdade, 

que pode ter razão e pode não ter compaixão,

que pode não ter razão e pode ter compaixão?

Como é ser o presente,

que é e já não é, 

que é e pulsa,

que pulsa e é mais,

que é mais e já não é,

que é e frustra,

que frustra e continua sendo?

Como é ser a vida,

que tem vida e não vive por si só?

Como é ser a morte,

que mata e nunca viveu?

Como é ser o nada, 

que enuncia o vácuo e tem quatro letras,

que prenuncia o vácuo e tem uma lápide? 

Como é ser a esperança, 

que projeta a semente e planta o sonho?

Como é ser o futuro, 

que ainda não é e será,

que ainda não é e não será,

que ainda não é e não mais será, 

que ainda não é e não mais... será?

Ilustração da artista visual Luanna Falcão. Sigam a página da Luanna no Instagram: https://www.instagram.com/luanna.artworks/ 

Flávio Ricardo Vassoler

Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo (Brasil), com pós-doutorado em Literatura Russa pela Northwestern University (Estados Unidos). É autor das obras O evangelho segundo talião (nVersos, 2013), Tiro de misericórdia (nVersos, 2014), Dostoiévski e a dialética: Fetichismo da forma, utopia como conteúdo (Hedra, 2018), Diário de um escritor na Rússia (Hedra, 2019) e Metamorfoses, os anos de aprendizagem de Ricardo V. e seu pai (Nômade, fiel como os pássaros migratórios, 2021). É colunista do site Brasil 247, para o qual escreve ficções, semanalmente, sobre sua experiência nômade no continente europeu. Colabora para os jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S.Paulo, bem como para as revistas Veja, Carta Capital e Piauí. Canal no YouTube: www.youtube.com/c/FlávioRicardoVassoler

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email