HOME > Brasil Sustentável

Tecnologia brasileira previne incêndios florestais pelo mundo

Startup brasileira especializada no monitoramento de ameaças florestais que têm gerado impacto por onde passa com uso de dados de satélites associados à inteligência artificial

Bombeiro combate foco de incêndio na floresta amazônica, em Apuí (AM) 11/08/2020 (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Beatriz Bevilaqua, 247 - No ano passado, os incêndios florestais destruíram quase 400 milhões de hectares e liberaram 6,5 bilhões de toneladas de CO2 na atmosfera, segundo o Sistema Global de Informação sobre Incêndios Florestais (GWIS, na sigla em inglês). A crise climática ambiental segue sendo alarmante e este ano não teremos números muito diferentes. Neste episódio do programa Brasil Sustentável, a TV 247 entrevista Gil Pletsch, CEO da Quiron, startup brasileira especializada no monitoramento de ameaças florestais que têm gerado impacto por onde passa com uso de dados de satélites associados à inteligência artificial.

A empresa foi criada em 2018 e contou com a ajuda de Marcos Benedito Schimalski, professor de engenharia florestal da Universidade do Estado de Santa Catarina. “Aqui em Lages existe um centro de inovação muito ativo e conheci o professor Marcos, que tem uma linha de pesquisa muito ampla na parte de sensoriamento remoto utilizando satélites. A pesquisa acadêmica serviu para aperfeiçoarmos o nosso produto e lançarmos no mercado”, disse Gil.

Ao longo do tempo os incêndios têm aumentado de intensidade e frequência em todo planeta. Dados prevêem o crescimento de incêndios extremos de 14% até 2030, 30% até o final de 2050 e 50% até o final do século, de acordo com um novo relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) em parceria com o GRID-Arendal.

Hoje não existem muitas tecnologias na prevenção de incêndios florestais e com as mudanças climáticas e a intervenção humana, o cenário atual precisa de duas frentes de combate: a preventiva e a reativa. “Temos sido acionados por vários países do mundo, como Portugal, Grécia e Estados Unidos. No Chile, houve um incêndio muito grave, no início deste ano, na região de Valparaíso com mais de 130 mortos e o governo chileno nos acionou recentemente buscando soluções mais eficientes para evitar novos desastres”, explicou.

Assista a entrevista na íntegra aqui:

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: