75% das mulheres assassinadas no primeiro semestre no Brasil são negras

Mais de um terço dos estados do país não divulga a raça das mulheres vítimas de violência. Números apontaram que cerca de 75% das mulheres assassinadas no primeiro semestre deste ano no Brasil são negras

(Foto: Jorge Ferreira / Mídia NINJA)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Mais de um terço dos estados do país não divulga a raça das mulheres vítimas de violência. Números apontaram que cerca de 75% das mulheres assassinadas no primeiro semestre deste ano no Brasil são negras. Levando em conta estupros e agressões cometidas por companheiro em casa o percentual diminui para quase 50%. Foi o que apontou um levantamento do G1 com base nos dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal.

Segundo a pesquisa, 10 estados não divulgaram estatísticas de forma completa, sete não apresentaram informação alguma sobre raça e três forneceram apenas números parciais.

Em mais da metade dos casos de quatro dos cinco crimes pesquisados não consta a raça - porque ela não foi divulgada ou no campo aparece como 'não informada'.

De acordo com os dados, 889 homicídios com a raça informada, 650 (73%) foram cometidos contra mulheres negras.

No caso dos feminicídios, as mulheres negras representaram 60% do total (198 dos 333 crimes em que a raça está disponível).

As negras compõem 51% das vítimas em que a raça é informada levando em consideração os casos de lesão corporal. 

O percentual das mulheres negras vítimas de estupro é de 52% (1.814 de 3.472 registros).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email