A intolerância é de direita

"Há um valor mais alto posto diante de nós: resgatar a democracia e a perspectivas de sermos um país independente, não uma nação que rasteja diante do mundo rico, oferecendo-se  e oferecendo o trabalho de seus filhos a preço vil. Se não soubermos nos unir, se também quisermos praticar ódios e intolerâncias seremos cúmplices da chacina do Brasil", diz Fernando Brito, ao comentar episódios trágicos, como a chacina de Campinas e o assassinato de um ambulante no metrô de São Paulo

"Há um valor mais alto posto diante de nós: resgatar a democracia e a perspectivas de sermos um país independente, não uma nação que rasteja diante do mundo rico, oferecendo-se  e oferecendo o trabalho de seus filhos a preço vil. Se não soubermos nos unir, se também quisermos praticar ódios e intolerâncias seremos cúmplices da chacina do Brasil", diz Fernando Brito, ao comentar episódios trágicos, como a chacina de Campinas e o assassinato de um ambulante no metrô de São Paulo
"Há um valor mais alto posto diante de nós: resgatar a democracia e a perspectivas de sermos um país independente, não uma nação que rasteja diante do mundo rico, oferecendo-se  e oferecendo o trabalho de seus filhos a preço vil. Se não soubermos nos unir, se também quisermos praticar ódios e intolerâncias seremos cúmplices da chacina do Brasil", diz Fernando Brito, ao comentar episódios trágicos, como a chacina de Campinas e o assassinato de um ambulante no metrô de São Paulo (Foto: Leonardo Attuch)

A chacina em Campinas e o massacre em Manaus dão pra gente pensar muito.

É fácil dizer que são monstros, e foram, nas monstruosidades que fizeram.

Mas são produtos de uma doença coletiva, que sempre existiu de forma endêmica mas, de tempos para cá, virou um surto.

Gente muito “bacana” e politicamente correta começou a pregar que havia um jeito certo e um jeito errado para tudo.

Começou com o “pensamento único”, aquele que nos mandava “fazer o dever de casa”.

Houve até um tal de Francis Fukuyama que decretou o fim da história e da evolução da sociedade pelos conflitos e sua superação.

Como disse um certo sujeito, não se devia falar em crise, apenas trabalhar. O importante era fazer tudo como alguém tinha determinado, não importa quem fosse.

E que, em contrapartida, nos dava o direito de que as coisas estivessem sempre “em ordem”, ainda que a ordem fosse vil, desumana, opressiva.

As regras passam a ser a nossa razão e a nossa razão não aceita que as coisas possam ser diferentes aos olhos dos outros.

 

laerteint

O que não é o que eu quero, o que eu acho que deve ser deve ser combatido e destruído.

Eu sou “do bem”, meu ex-semelhante, agora inimigo, “é do mal”.

Viramos “facções”, como os amotinados de Manaus e, às vezes, tão ferozes e criminosas quanto aquelas.

As ideias mais absurdas começam a parecer normais, porque estamos num estado de anormalidade.

Alguém mata um filho porque o ama? Uma mulher que ama porque esta o abandona? Ter a posse das pessoas é a condição do amor, como naqueles dramalhões do “ou minha ou de mais ninguém”?

A mãe da história de Salomão abria mão do próprio filho por amor, para que este não morresse pela espada do Rei.

Agora é a espada que simboliza o amor e a justiça?

Estamos salvando o nosso país destruindo suas empresas, os empregos, a produção?

Estamos salvando a democracia depondo eleitos e entregando o poder a quem por ele apenas conspirou?

Estamos querendo exterminar a “facção rival” e sermos donos de um presídio e não da liberdade?

O ódio e a intolerância são de direita porque impedem o progresso, a evolução humana, o convívio harmônico, porque o ódio e a intolerância só vencem pela destruição.

Devemos fazer um exercício diário de imunização a ele, porque é fácil contrair esta doença.

E passar a não ver que bem e mal não são compartimentos estanques e o que determina nossa humanidade é fazer um e conter o outro.

Para salvar o Brasil deste caos, é preciso entender que isso não se fará com uma seita fundamentalista.

Quem acredita nisso são os Moros e Dallagnóis.

Há um valor mais alto posto diante de nós: resgatar a democracia e a perspectivas de sermos um país independente, não uma nação que rasteja diante do mundo rico, oferecendo-se  e oferecendo o trabalho de seus filhos a preço vil.

Se não soubermos nos unir, se também quisermos praticar ódios e intolerâncias seremos cúmplices da chacina do Brasil.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247