A morte de um negro espancado causa prazer à elite escravocrata, diz Fernando Brito

"No fundo, a morte de um negro, espancado indefeso como num tronco escravocrata não lhes causa nojo, causa-lhes prazer", escreve o editor do Tijolaço

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço – Uma pessoa de bem não pode calar ou relativizar um assassinato frio e brutal, onde a cor da pele foi determinante na atitude dos assassinos a soldo de uma multinacional.

Ponto final.

Mas estamos cheios disso.

Um presidente que acusa que é vítima de “semear a discórdia” e vai dizer no G-20 que a luta por igualdade racial é “máscara” de “luta pelo poder”.

Um vice-presidente que diz que “racismo não existe aqui, é importado”, tese que “a chefia” hoje endossou.

34 juízes, em Pernambuco – a terra do negro Henrique Dias, herói de Guararapes – que se desligam de uma associação por não aceitarem a “infiltração ideológica” de discutir racismo com magistrados.

Não, não é que sejam “apenas” racistas e fascistas. São, por isso e por mais que isso, covardes.

Se estas questões não puderem ser tratadas por meio da política, do debate e da formação de uma consciência pública de que são inadmissíveis, serão tratadas como, no porrete? Na bala? Ou melhor, no chicote?

O fato de sermos um país miscigenado não nos isenta da chaga racista, porque esta mistura tem fases e as que ficam acima desta mistura são (ou se acham) brancas e as mais baixas, negras, mulatas, caboclos e indígenas.

Negam, negam, negam sempre a realidade, negam o que fazem e o que pretendem fazer, porque o que desejam é feio e nojento demais para que seja dito de forma clara, alto e bom som.

Se pudessem dizer, já teriam acabado com a Lei de Cotas, com a Lei Caó, com a Lei Afonso Arinos e até a Lei Áurea.

Mas, sem querer, fazem um bem à população.

Exemplificam, na prática, como a porção mais burra da elite brasileira – e nada pequena é, como se vê – é escravocrata, é racista, é desumana e é bruta.

No fundo, a morte de um negro, espancado indefeso como num tronco escravocrata não lhes causa nojo, causa-lhes prazer.

Mas a dos demais pobres, todos pretos de tão pobres, também não e é por isso que, por estas bandas, faz tempo que vidas pobres não importam.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247