A palavra da vez é 'ingovernabilidade'

Se na semana passada a palavra mais corrente nos círculos políticos era 'impeachment', nesta é 'ingovernabilidade'. No Congresso Nacional, no Supremo Tribunal Federal e na esplanada dos ministérios, a sensação de desgoverno e de caos é o alvo da preocupação de todos os atores políticos

A palavra da vez é 'ingovernabilidade'
A palavra da vez é 'ingovernabilidade' (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Se na semana passada a palavra mais corrente nos círculos políticos era 'impeachment', nesta é 'ingovernabilidade'. No Congresso Nacional, no Supremo Tribunal Federal e na esplanada dos ministérios, a sensação de desgoverno e de caos é o alvo da preocupação de todos os atores políticos.

A coluna Painel do jornal Folha de S.Paulo informa que na quarta-feira (22), houve uma reunião na residência oficial do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), em que 15 senadores de diversos partidos, da direita à esquerda, debateram as opções para a crise política e governamental. A unanimidade é que "o país ruma ao impasse".

A reunião chegou à conclusão de que está muito difícil encontrar uma saída para a crise. Primeiramente porque, apesar de ter suavizado seu discurso, o general Hamilton Mourão, vice-presidente da República, não conquistou a confiança do Congresso. Em segundo lugar, ninguém acha que Bolsonaro vai renunciar. Terceiro, o diagnóstico é que a crise permanecerá enquanto durar este governo e, em quarto lugar, as manifestações convocadas para o próximo domingo em apoio a Bolsonaro podem piorar o ambiente.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247