ABI requer à PGR que denuncie a quebra de decoro de Bolsonaro após ofensa contra jornalista

"A ABI conclama a sociedade brasileira a reagir às demonstrações do 'Cavalão', como era conhecido Bolsonaro na caserna, e requer à Procuradoria Geral da República que cumpra o seu papel constitucional, denunciando a quebra de decoro pelo ex-capitão Jair Bolsonaro", afirma o presidente da entidade, Paulo Jeronimo de Sousa

Bolsonaro e presidente da ABI, Paulo Jeronimo de Sousa
Bolsonaro e presidente da ABI, Paulo Jeronimo de Sousa (Foto: Divulgação)

247 - "Este comportamento misógino desmerece o cargo de Presidente da República e afronta a Constituição Federal", afirma a nota da Associação Brasileira de Imprensa, a ABI, que informa que vai requerer junto à Procuradoria-Geral da República (PGR) "que cumpra o seu papel constitucional, denunciando a quebra de decoro pelo ex-capitão Jair Bolsonaro".

Confira a íntegra da nota assinada pelo presidente da ABI, Paulo Jeronimo de Sousa:

Nota oficial da ABI

Nesta terça-feira, mais uma vez, para vergonha dos brasileiros, que têm o mínimo de educação e civilidade, o presidente da República, Jair Bolsonaro, é ofensivo e agride, de forma covarde, a jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S. Paulo.

Este comportamento misógino desmerece o cargo de Presidente da República e afronta a Constituição Federal. 

O que temos visto e ouvido, quase cotidianamente, não se trata de uma questão política ou ideológica. Cada dia mais, fica patente que o presidente precisa, urgentemente, de buscar um tratamento terapêutico.

A ABI conclama a sociedade brasileira a reagir às demonstrações do “Cavalão”, como era conhecido Bolsonaro na caserna, e requer à Procuradoria Geral da República que cumpra o seu papel constitucional, denunciando a quebra de decoro pelo ex-capitão Jair Bolsonaro.

Paulo Jeronimo de Sousa

Presidente da Associação Brasileira de Imprensa

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247