Advogada cega a Barbosa: será que ele é cego?

Em vídeo, a advogada Deborah Prates atacou a "desumanidade" de Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal, que lhe negou o direito de peticionar por escrito; "ele cortou o meu trabalho", afirmou; advogada também criticou a suposta cegueira do ministro e afirmou que ele "só tem olhos para o mensalão"; mais adiante, bateu ainda mais duro: "se um ministro descumpre a lei para as pessoas cegas, vai fazer de forma igual para vocês que estão me assistindo"; liminar do ministro Ricardo Lewandowski garantiu a ela o direito de voltar a peticionar por escrito; vídeo

www.brasil247.com - Em vídeo, a advogada Deborah Prates atacou a "desumanidade" de Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal, que lhe negou o direito de peticionar por escrito; "ele cortou o meu trabalho", afirmou; advogada também criticou a suposta cegueira do ministro e afirmou que ele "só tem olhos para o mensalão"; mais adiante, bateu ainda mais duro: "se um ministro descumpre a lei para as pessoas cegas, vai fazer de forma igual para vocês que estão me assistindo"; liminar do ministro Ricardo Lewandowski garantiu a ela o direito de voltar a peticionar por escrito; vídeo
Em vídeo, a advogada Deborah Prates atacou a "desumanidade" de Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal, que lhe negou o direito de peticionar por escrito; "ele cortou o meu trabalho", afirmou; advogada também criticou a suposta cegueira do ministro e afirmou que ele "só tem olhos para o mensalão"; mais adiante, bateu ainda mais duro: "se um ministro descumpre a lei para as pessoas cegas, vai fazer de forma igual para vocês que estão me assistindo"; liminar do ministro Ricardo Lewandowski garantiu a ela o direito de voltar a peticionar por escrito; vídeo (Foto: Leonardo Attuch)


247 - No início deste ano, uma decisão do ministro Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal, chocou o país, quando ele negou a uma advogada cega, Deborah Prates, o direito de peticionar por escrito – e não eletronicamente (leia mais aqui). Como os sites do Judiciário não são plenamente acessíveis, Deborah ficou impedida de trabalhar e perdeu seu sustento.

Inconformada, ela postou um vídeo no YouTube em que bate duro em Barbosa e critica até sua "desumanidade". Insinua até que ele seria mais cego do que ela e teria olhos apenas para o mensalão. Assista abaixo:

A situação de Deborah, no entanto, foi corrigida por uma liminar do ministro Ricardo Lewandowski, presidente interino do STF, que lhe garantiu o direito de voltar a peticionar por escrito. Lewandowski decidiu “determinar ao CNJ que assegure à impetrante o direito de peticionar fisicamente em todos os órgãos do Poder Judiciário, a exemplo do que ocorre com os habeas corpus, até que o processo judicial eletrônico seja desenvolvido de acordo com os padrões internacionais de acessibilidade, sem prejuízo de melhor exame da questão pelo relator sorteado”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email