Alberto Carlos Almeida publica histórico escolar do ministro da Educação

"Ele era bom de balbúrdia", ironiza o cientista político, usando a mesma palavra com que Abraham Weintraub descreveu universidades para justificar corte de verbas; "Pelo histórico escolar do ministro @AbrahamWeint faz sentido o ódio ao ensino superior e a universidades", comentou o jornalista George Marques

Alberto Carlos Almeida publica histórico escolar do ministro da Educação
Alberto Carlos Almeida publica histórico escolar do ministro da Educação
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O cientista político e escritor Alberto Carlos Almeida publicou no Twitter nesta quinta-feira 2 o histórico de notas do ministro da Educação, Abraham Weintraub, quando era estudante do curso de Economia na Universidade de São Paulo (USP).

"Histórico escolar do Ministro da Educação. Ele era bom de balbúrdia", ironizou Almeida, usando a mesma palavra com que Weintraub descreveu três universidades para justificar corte de verbas, em referência a protestos contra o governo Bolsonaro.

"Pelo histórico escolar do ministro @AbrahamWeint faz sentido o ódio ao ensino superior e a universidades", comentou o jornalista George Marques.

Nesta quarta-feira 1, uma nova declaração do ministro da Educação sobre as universidades brasileiras gerou polêmica. De forma generalizada, ele criticou os reitores das universidades federais, ao falar de tolerância e pluralidade: "para quem conhece universidades federais, perguntar sobre tolerância ou pluralidade aos reitores ditos de esquerda faz tanto sentido quanto pedir sugestões sobre doces a diabéticos".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247