Alta no botijão feita por Temer faz pobres trocarem gás por lenha

Com a alta no preço do botijão de gás, muitas famílias pobres no país estão recorrendo ao fogão a lenha, informa reportagem do UOL; com o aumento autorizado em 4 de novembro, a alta acumulada no gás desde junho chega a 54%, levando o preço do botijão a R$ 80 - metade da renda per capita de muitas famílias em comunidades carentes na periferia de Maceió (AL)

Com a alta no preço do botijão de gás, muitas famílias pobres no país estão recorrendo ao fogão a lenha, informa reportagem do UOL; com o aumento autorizado em 4 de novembro, a alta acumulada no gás desde junho chega a 54%, levando o preço do botijão a R$ 80 - metade da renda per capita de muitas famílias em comunidades carentes na periferia de Maceió (AL)
Com a alta no preço do botijão de gás, muitas famílias pobres no país estão recorrendo ao fogão a lenha, informa reportagem do UOL; com o aumento autorizado em 4 de novembro, a alta acumulada no gás desde junho chega a 54%, levando o preço do botijão a R$ 80 - metade da renda per capita de muitas famílias em comunidades carentes na periferia de Maceió (AL) (Foto: Charles Nisz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A  população mais pobre sente os efeitos das sucessivas altas no preço do gás de cozinha. Para cozinhar, muitos abdicaram do botijão de gás e voltaram a usar lenha. É o caso do casal Maria Lúcia da Silva, 50, e Weverton dos Santos, 30, da favela Sururu de Capote, em Maceió (AL). Há mais de um mês, eles não compram um botijão de gás, que custa R$ 70. "E já mandaram avisar que vai subir para R$ 80. Eu não tenho opção: ou compro o gás, ou a comida", conta Santos, que é catador de latinhas e não tem renda mensal fixa, segundo reportagem do UOL.

Com o aumento de 4,5% no botijão de 13 kg ocorrido no último dia 4, o reajuste acumulado desde junho, quando a Petrobras mudou a política de preços do gás, é de 54%  A favela Sururu de Capote reúne pescadores às margens da lagoa Mundaú e é marcada pela miséria: sem esgoto, com energia elétrica improvisada e barracos normalmente feitos de papelão, madeira ou lona. Poucas moradias são de tijolos, pois a área é invadida.

Por conta da alta nos preços, dezenas de famílias hoje catam madeira para usar como lenha. "É difícil demais, um sofrimento grande. Um fogão faz falta", diz Maria Lúcia. Até o meio do ano, a família conseguia comprar um botijão a cada três meses pelo menos. O fogo a lenha era usado, mas apenas quando o botijão acabava e o dinheiro estava curto.

Para muitas pessoas dessa comunidade, um botijão representa metade da renda - cerca de R$ 150 per capita. "Eu uso o fogão só para esquentar uma coisa, cozinhar algo rápido. Para fazer feijão, coisa que demora mais, já estou usado lenha. E não vou conseguir comprar mais botijão daqui para a frente", conta a beneficiária do Bolsa Família, que recebe R$ 164 por mês e mora na favela com as duas netas.

O Sindigás (Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo) disse que não iria dar entrevistas sobre reajuste de preço nem sobre uso de lenha causado pela alta dos preços. Segundo a entidade, existem hoje 99 milhões de botijões em circulação em todo o país. Por dia 1,5 milhão de botijões são adquiridos pelos consumidores.


O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247