Alunos passam segunda noite acampados na Reitoria da UnB

Representantes dos estudantes se reuniram nesta manh com o conselho da Faculdade de Ceilndia, no campus da cidade

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sabrina Fiuza_Brasília247 – Cerca de 80 alunos da Universidade de Brasília (UnB) passaram a segunda noite acampados na reitoria. Neste momento, os estudantes estão reunidos com a diretoria do campus de Ceilândia para reivindicar melhorias estruturais e técnicas na instituição.

Eles pedem a inclusão na grade curricular da disciplina Linguagem Brasileira de Sinais e a não-abertura de novos cursos até a conclusão das obras do campus. Outra questão reivindicada é a anistia pelos danos materiais e agressões ocorridos na terça-feira, dia em que cerca de 300 alunos invadiram a reitoria.

Na ocasião, os manifestantes pediam a conclusão das obras do campus de Ceilândia, atrasada há três anos. A primeira etapa das obras deveriam ter sido concluídas em 2008, no entanto, o primeiro prédio só foi entregue em junho deste ano.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247