André Singer: no autoritarismo furtivo, existe uma fachada de legalidade

Em entrevista ao presidenciável Fernando Haddad, o cientista político André Singer explica o que seria uma nova forma de autoritarismo, conduzida por Jair Bolsonaro, que desnorteia a oposição

André Singer / Jair Bolsonaro
André Singer / Jair Bolsonaro (Foto: Brasil 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O cientista político e professor da USP André Singer, em entrevista ao ex-ministro e presidenciável Fernando Haddad, explicou que o autoritarismo exercido por Jair Bolsonaro pode ser classificado como “autoritarismo furtivo”, uma nova roupagem da política autoritária. 

Ele explica que o autoritarismo furtivo “é um processo que se dá diferentemente dos golpes clássicos que a gente estava acostumado, que é um golpe que vem de fora do sistema político e que em um determinado momento rompe com as leis”.

Singer esclareceu três características dessa nova forma autoritária de se governar: a lentidão para alcançar a ruptura com a democracia, o uso de meios aparentemente legais e a condução do processo por políticos democraticamente eleitos.

“Ele [o autoritarismo furtivo] é incremental, ele vai se dando continuamente, pouco a pouco. Todos os dias o Poder Executivo vai tentando alargar seus poderes e suprimir os contrapoderes. Vai tentando se sobrepor até o momento em que você imperceptivelmente cai em uma ditadura. A segunda característica é que ele justamente se dá por dentro das leis, não rompendo com as leis. Um exemplo bem fácil para nós aqui no Brasil é o impeachment da ex-presidente Dilma, porque eles usaram uma brecha que existia dentro das leis. O que esse processo gerou foi uma ruptura de democracia por dentro das leis. A terceira característica é que esse processo de autoritarismo furtivo é conduzido por líderes democraticamente eleitos, então não vem com uma força de fora do sistema político, como as Forças Armadas. O resultado é que é muito difícil para a sociedade perceber o que está acontecendo, porque aparentemente as instituições estão funcionando, existe uma fachada legal, uma fachada de normalidade que é feita de propósito”, explicou.

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista na íntegra:

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247