Antes de morrer, um pedido de socorro pelo Facebook

Na madrugada, Michele Cardoso escreveu "Incêndio na KISS socorro" em seu perfil no Facebook. Foi a última comunicação dela

Antes de morrer, um pedido de socorro pelo Facebook
Antes de morrer, um pedido de socorro pelo Facebook (Foto: Reprodução de internet)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Diário de Santa Maria - O pânico e a impotência circularam de forma instantânea. Um dos apelos mais dramáticos ecoou às 3h20min da madrugada. A protética Michele Cardoso usou o celular para disparar um alarma no Facebook. Escreveu somente quatro palavras, na pressa de quem está a perigo, o suficiente para noticiar o sinistro e implorar por ajuda. Ainda grafou o nome da boate com letras maiúsculas, para que não houvesse dúvidas sobre o local:

— Incêndio na KISS socorro.

Michele não mais se comunicou — seu nome apareceria depois na lista de mortos. Mas, naquele início de madrugada, as 21 letras que escreveu acionaram um grupo de amigos que passou a pedir informações — e multiplicar o SOS. Tudo na linguagem abreviada, sem vírgulas ou acentos, de quem digita um teclado virtual impelido pelo desespero, acreditando que alguns segundos ganhos podem salvar uma vida.

Letícia Côrtes foi a primeira a perguntar por Michele, às 3h40min:

— serio mii?

A partir daí, uma torrente de preocupações irrompeu na página do Facebook de Michele. Frases com letras engolidas, truncadas, evidenciaram a ansiedade de quem buscava um informe.

— Tu ta bem, um amigo acabo de me ligar dizndo q ta no hospital ajudando os feridos... — questionava Gláucia Pires, às 4h48min.

Um minuto depois, Gláucia insistiu com a amiga silenciosa. O ponto de interrogação ressou no vazio.

— ?????

Outras colegas se conectaram, aflitas por Michele.

— tu tá bem? — perguntou Daniela Sudati, às 5h30min.

— Miiiiiiiii — angustiava-se Jéssica Corrales Brandli, às 6h32min.

Confiando na ferramenta virtual, no minuto seguinte Jéssica voltou a clamar:

— tah beeem?!

Michele estava incomunicável, para tormento das colegas. Às 7h13min, Laady Soares Rosa engrossou o coro dos agoniados. Ela espichou as sílabas da mensagem, como se gritasse para amplificar a súplica:

— Miiiicheleee, ta bem? da notícias por faavor!

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247