Anvisa confirmou irregularidades apontadas pelos irmãos Miranda sobre a vacina Covaxin

A lista de irregularidades identificadas pela Anvisa no processo de aquisição da vacina indiana Covaxin inclui problemas como nota fiscal de importação e a falta de certificados de eficácia nos padrões da OMS. O deputado Luís Miranda (DEM-DF) e o seu irmão haviam denunciado corrupção dentro do Ministério da Saúde em relação às negociações sobre o imunizante

www.brasil247.com - Deputado federal Luís Miranda, a vacina indiana Covaxin e a Anvisa
Deputado federal Luís Miranda, a vacina indiana Covaxin e a Anvisa (Foto: Agência Câmara / Divulgação / Agência Brasil)


247 - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) identificou irregularidades no processo de importação da vacina indiana Covaxin. A lista inclui problemas na nota fiscal de importação, previsão de envio de vacinas muito próximas do prazo final de validade e a falta de certificados de eficácia, segurança e qualidade nos padrões da Organização Mundial da Saúde (OMS). A informação foi publicada pela coluna de Malu Gaspar, no jornal O Globo. 

As denúncias também haviam sido feitas pelo servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo Miranda, que depõe nesta sexta-feira (25) à CPI da Covid a partir das 14h. O irmão dele, o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF), disse ter enviado mensagens a um secretário de Bolsonaro alertando sobre as ilegalidades

No documento constava que o pagamento seria feito adiantado, ou seja, antes da entrega dos imunizantes. O contrato também previa a compra de 20 milhões de doses em cinco entregas de 4 milhões, mas a nota fiscal falava em 3 milhões de doses de vacina. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"O quantitativo de doses (3 milhões) não corresponde ao requisitado no Ofício nº 62/2021/DLOG/SE/MS (20 milhões)", escreveu o diretor Anvisa Alex Campos, que negou a autorização para a importação do imunizante, na reunião de diretoria de 31 de março deste ano. Todos os outros diretores o acompanharam, vetando a importação por unanimidade. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A vacina indiana só conseguiria o aval da agência mais de dois meses depois, em 4 de junho, após fazer um novo pedido e apresentar novos documentos. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email