Após decisão da ONU, PT vai intensificar ações internacionais por Lula

Na primeira visita dos advogados do ex-presidente Lula após a decisão da ONU que defende o seu direito de participar das eleições, Fernando Haddad, candidato a vice na chapa de Lula, afirmou que o PT deverá intensificar a ofensiva internacional para denunciar as irregularidades e abusos para evitar que Lula, que lidera todas as pesquisas de intenção de voto, participe do pleito; "Nossa ofensiva internacional vai aumentar a partir disso, não só com os organismos internacionais, mas com autoridades internacionais para que possamos garantir sua presença nas eleições deste ano", afirmou

Após decisão da ONU, PT vai intensificar ações internacionais por Lula
Após decisão da ONU, PT vai intensificar ações internacionais por Lula

247 - Na primeira visita feita pelos advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva após a decisão do Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) que reconhece o direito do ex-presidente participar das eleições presidenciais de outubro, o ex-prefeito Fernando Haddad, vice na chapa de Lula, afirmou que o PT deverá intensificar a ofensiva internacional para denunciar as irregularidades e abusos para evitar que Lula, que lidera todas as pesquisas de intenção de voto, participe do pleito.

"Lula considera muito importante, histórica, esta decisão da participação da ONU nos assuntos internos, com a concordância do Brasil, porque o Brasil internacionalizou a convenção que torna a ONU numa autoridade no âmbito nacional e a nossa ofensiva internacional vai aumentar a partir disso, a nossa mobilização, não só com os organismos internacionais, mas com autoridades internacionais para que possamos garantir sua presença nas eleições deste ano", afirmou Haddad após visitar Lula em Curitiba, onde o ex-presidente está preso.

Haddad também disse estar confiante quanto a análise do recurso impetrado pela defesa de Lula junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) porque "foram poucas as oportunidades de um país desafiar as Nações Unidas. Em geral, os países que subscrevem convenções e tratados internacionais o fazem justamente para acatar decisões como esta", enfatizou.

Já a senadora e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, destacou que a "eleição no Brasil passou a ter uma relevância tal que deixou de ser apenas de interesse da democracia brasileira para ser de interesse da democracia internacional. Não é pouca coisa o que a ONU decidiu, o que ONU determinou ao Brasil, que é garantir a candidatura do presidente Lula e que ele faça todos os fatos relativos à sua campanha eleitoral. A democracia no Brasil está sendo observada pelo mundo. Não podemos de maneira nenhuma deixar que esta democracia seja ferida de morte", ressaltou.

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista:

Ao vivo na TV 247 Youtube 247