Após ignorar mais de 50 emails da Pfizer, Bolsonaro se reúne com a companhia

Pressionado pelas revelações da CPI da Covid, governo negocia vacinas com a companhia americana nesta segunda, depois de ignorar possibilidade de compra de 70 milhões de doses da vacina contra a Covid a um custo cerca de 50% menor

www.brasil247.com - Reunião do Planalto com a Pfizer
Reunião do Planalto com a Pfizer (Foto: Isac Nóbrega/PR)


247 - Depois de ignorar 53 e-mails da Pfizer, atrasando por meses as tratativas para a compra de vacinas contra a Covid-19, o governo de Jair Bolsonaro se reuniu nesta segunda-feira (14) por videoconferência com o representante da empresa na América Latina, Carlos Murillo - o mesmo que compareceu à CPI da Covid, onde denunciou a falta de respostas.

A conversa ocorreu para tentar antecipar a entrega de doses da vacina da farmacêutica contra a Covid-19 ao Brasil, segundo a coluna Radar. Também participaram da reunião os ministros da Saúde, Marcelo Queiroga, e das Relações Exteriores, Carlos Alberto França. Além do chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e o secretário especial de Assuntos Estratégicos, Flávio Rocha, entre outros assessores.

Em seu depoimento à CPI, Carlos Murillo afirmou que o governo rejeitou 70 milhões de doses da vacina a um custo cerca de 50% menor do que foi oferecido aos Estados Unidos, Reino Unido e União Europeia. Sobre o tema, representantes do governo como Fábio Wajngarten e Eduardo Pazuello disseram aos senadores que o contrato não foi firmado porque apresentava “cláusulas leoninas”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A reunião provocou reação nas redes sociais:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email