Aquecimento global deve piorar incêndios na Amazônia e destruir 16% do sul da floresta

A conclusão é de um grupo de cientistas do Brasil e dos Estados Unidos. "Defendemos que reduzir o desmatamento é essencial para reduzir a probabilidade de fogo no sudeste da Amazônia nas próximas décadas”, disse Paulo Brando, da Universidade da Califórnia, em Irvine, e do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam)

(Foto: Victor Moriyama/Greenpeace)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um grupo de cientistas do Brasil e dos Estados Unidos aponta que, diante do agravamento do aquecimento global, incêndios florestais poderão destuir até 16% do sul da Amazônia até 2050, liberando até 17 bilhões de toneladas de dióxido de carbono na atmosfera. 

“Por isso defendemos que reduzir o desmatamento é essencial para reduzir a probabilidade de fogo no sudeste da Amazônia nas próximas décadas”, disse Paulo Brando, da Universidade da Califórnia, em Irvine, e do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam).

Pesquisador Doug Morton, da Nasa, também autor do estudo, afirma que a "análise mostra que precisamos de uma abordagem dupla para proteger as florestas remanescentes das pressões crescentes do desmatamento para expansão agrícola e do risco de incêndio causado pela mudança do clima". "Regionalmente, decisões que reduzam o desmatamento, impeçam a fragmentação da floresta e evitem fontes de ignição para incêndios, amortecerão as bordas da floresta contra as atividades de queimadas”, afirmou.


Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247