Assessor de Pazuello diz que pessoas podem começar a "morrer na rua" em Manaus

Recém-nomeado assessor especial do Ministério da Saúde, o general da reserva Ridauto Fernandes afirma: Manaus tem quase 600 pacientes de Covid-19 na fila de atendimento e que, caso evoluam para quadros graves, “vão morrer na rua”.

(Foto: Reuters | Mario Oliveira/SEMCOM/Manaus)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Recém-nomeado assessor especial do Ministério da Saúde, o general da reserva Ridauto Fernandes afirmou nessa quinta (28) que Manaus (AM) tem quase 600 pacientes diagnosticados com coronavírus na fila de atendimento e que, caso evoluam para quadros graves, "vão morrer na rua". 

O militar participou de uma reunião da comissão externa do coronavírus na Câmara. Fernandes enfatizou que o gargalo está na falta de oxigênio. "Abre o leito, bota o paciente e ele vai morrer asfixiado no leito. E aí, vai adiantar abrir o leito?", questionou.

De acordo com informação publicada pela coluna Painel, Fernandes disse, na presença de deputados e secretários de Saúde, que o governo federal sabia desde 28 de dezembro da crise do coronavírus no estado, ainda que não soubessem que teria relação com falta de oxigênio. 

De acordo com o general, preferiram esperar "alguns dias" a transição de prefeitos. "Ficaria muito ruim irmos para Manaus naquele dia e encontrar uma administração municipal que dois dias depois estaria toda sendo substituída", explicou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email