Associação de evangélicos faz força-tarefa para evitar proibição de cultos em meio a 4 mil mortes diária

A Anajure (Associação Nacional de Juristas Evangélicos) montou uma espécie de força-tarefa para monitorar leis e decretos que determinam o fechamento de igrejas durante a pandemia do novo coronavírus

Igreja de Valdemiro
Igreja de Valdemiro
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Anajure (Associação Nacional de Juristas Evangélicos) montou uma espécie de força-tarefa para monitorar leis e decretos que determinam o fechamento de igrejas durante a pandemia do novo coronavírus. Com base no trabalho do grupo, chamado de Observatório Anajure, a entidade abriu três processos no STF (Supremo Tribunal Federal) para tentar garantir o funcionamento de templos em meio às medidas de restrição para o controle da pandemia nos estados. A informação é do portal UOL. 

Kassio Nunes Marques, do STF, autorizou, em decisão liminar neste sábado,  a liberação de missas e cultos presenciais. A decisão foi divulgada um dia antes da Páscoa, quando o país registrava média de 2.800 mortos por covid-19 por dia.

No domingo, templos promoveram cultos, gerando aglomerações e imagens de fiéis sem máscara, como o culto na igreja Mundial, do empresário evangélico Valdemiro Santiago. 

Na segunda-feira (5), também em decisão liminar, Gilmar Mendes proibiu a realização de cultos religiosos no estado de São Paulo num outro processo em tramitação no Supremo. O presidente da Corte, Luiz Fux, decidiu levar o tema ao plenário. O julgamento do caso começa hoje, às 14h.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email