Associação dos Magistrados Brasileiros defende mais participação feminina no Judiciário após caso Mari Ferrer

AMB diz que condutas discriminatórias e humilhantes devem ser repelidas do setor

Mariana Ferrer e André de Camargo Aranha
Mariana Ferrer e André de Camargo Aranha (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Douglas Amorim, Metrópoles - Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) se manifestou defendendo a importância da implementação da Política Nacional de Incentivo da Participação Feminina no Poder Judiciário após a grande repercussão do comportamento do juiz Rudson Marcos, do Tribunal de Santa Catarina, no julgamento de André de Camargo Aranha, acusado de estuprar a influencer Mariana Ferrer.

Durante a audiência, o advogado do réu mostrou fotos da vítima, classificando-as como “ginecológicas”. Em momento algum foi questionado por membros do Tribunal de Justiça catarinense sobre a relação das fotos com o caso. Ele falou que o choro de Mari era “dissimulado e falso” e caracterizou como “lágrimas de crocodilo”.

“A AMB defende que condutas discriminatórias e humilhantes ocorridas contra vítimas em audiências sejam repelidas e apuradas no âmbito do Poder Judiciário”, diz a nota.

Leia mais no Metrópoles.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247