Ataques de Eduardo Bolsonaro e Weintraub à China fragilizam o Brasil

Os ataques do deputado Eduardo Bolsonaro e do ministro da Educação, Abraham Weintraub, ao maior parceiro econômico e comercial do Brasil geraram uma resposta dura por parte da China, sinalizando uma mudança na diplomacia do país

Eduardo Bolsonaro e Abraham Weintraub
Eduardo Bolsonaro e Abraham Weintraub (Foto: Reuters | PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Falar mal da China tem um custo. Ataques como o do deputado federal Eduardo Bolsonaro e do ministro da Educação, Abraham Weintraub, deixam o Brasil em posição frágil e ajudam o governo chinês a conseguir concessões do Brasil em negociações", escreve a jornalista Patrícia Campos Mello, citando alerta de Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais da FGV-SP e autor do livro “O Mundo Pós-Ocidental: Potências Emergentes e a Nova Ordem Global".

"O acadêmico avalia que Pequim provavelmente não fará retaliações óbvias contra o Brasil, como deixar de exportar máscaras e ventiladores mecânicos", prossegue a jornalista.

"Mas a reação diplomática às declarações de Eduardo e Weintraub revela 'que a China não foge mais do confronto, e ela sabe que muitos grupos [no Brasil] dependem da boa relação' com os chineses, como empresários e o agronegócio.

Leia a íntegra 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email