Até juízes protestam e pedem: 'Devolve, Gilmar'

Presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), João Ricardo Costa, tem hoje uma audiência pública com o ministro Gilmar Mendes, no STF, para tratar do pedido de vista no processo que julga as doações privadas a campanhas; "Esse é um importante passo para a Reforma Política. Não podemos permitir que as doações de empresas para campanhas sejam constitucionalizadas, promovendo um controle cada vez maior de grandes corporações em nossa política", avalia Costa; "Pela democracia brasileira, temos o dever de pedir que o ministro Gilmar devolva a ação para que seja avaliada por toda a Suprema Corte", conclui

Presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), João Ricardo Costa, tem hoje uma audiência pública com o ministro Gilmar Mendes, no STF, para tratar do pedido de vista no processo que julga as doações privadas a campanhas; "Esse é um importante passo para a Reforma Política. Não podemos permitir que as doações de empresas para campanhas sejam constitucionalizadas, promovendo um controle cada vez maior de grandes corporações em nossa política", avalia Costa; "Pela democracia brasileira, temos o dever de pedir que o ministro Gilmar devolva a ação para que seja avaliada por toda a Suprema Corte", conclui
Presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), João Ricardo Costa, tem hoje uma audiência pública com o ministro Gilmar Mendes, no STF, para tratar do pedido de vista no processo que julga as doações privadas a campanhas; "Esse é um importante passo para a Reforma Política. Não podemos permitir que as doações de empresas para campanhas sejam constitucionalizadas, promovendo um controle cada vez maior de grandes corporações em nossa política", avalia Costa; "Pela democracia brasileira, temos o dever de pedir que o ministro Gilmar devolva a ação para que seja avaliada por toda a Suprema Corte", conclui (Foto: Aline Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STG), no julgamento que pode proibir doações privadas a campanhas eleitorais já atraiu a crítica até mesmo dos juízes do País.

O presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), João Ricardo Costa, se reunirá em audiência pública nesta terça-feira 14 com Gilmar, no STF, para tratar do assunto. Para Costa, "esse é um importante passo para a reforma política".

A corte julgava a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4.650, que foi apresentada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O placar da votação estava em 6 a 1 pelo fim das doações empresariais.

"Não podemos permitir que as doações de empresas para campanhas sejam constitucionalizadas, promovendo um controle cada vez maior de grandes corporações em nossa política. Os magistrados e a sociedade anseiam por medidas mais eficazes para fortalecer o combate à corrupção e à impunidade. O Judiciário tem a oportunidade de, mais uma vez, cumprir o seu papel", avalia o presidente da AMB.

"Pela democracia brasileira, temos o dever de pedir que o ministro Gilmar devolva a ação para que seja avaliada por toda a Suprema Corte", apelou o magistrado.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247