Até Moro discorda de decisão de Toffoli que blindou Flávio Bolsonaro

Ministro da Justiça, Sérgio Moro, criticou a decisão do presidente STF, ministro Dias Toffoli, que suspendeu investigações que usem dados do Coaf sem prévia autorização judicial, beneficiando o senador Flávio Bolsonaro; para Moro, a decisão traz riscos aos mecanismos de combate à lavagem de dinheiro e podem prejudicar a entrada do Brasil na OCDE

Sergio moro e Dias Toffoli
Sergio moro e Dias Toffoli (Foto: Ag. Senado | STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Justiça, Sérgio Moro, criticou a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, que suspendeu investigações que usem dados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sem prévia autorização judicial, beneficiando o senador Flávio Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro. Para Moro, a decisão traz riscos aos mecanismos de combate à lavagem de dinheiro e podem prejudicar a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), diz a jornalista Bela Megale em seu blog.

O ingresso do Brasil na OCDE é uma das principais meta do governo Jair Bolsonaro no tocante à política externa. Mas, dentre outros requisitos, o país tem que fazer uso de políticas públicas recomendadas pela própria organização no que diz respeito a questões como o combate à corrupção e lavagem de dinheiro.  

Em maio, os Estados Unidos sinalizaram favoravelmente ao pleito do Brasil para integrar a OCDE, embora não tenha fixado data ou fornecido maiores detalhes sobre quando isso poderá acontecer. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247