Auxílio emergencial puxa aprovação de Bolsonaro, que tem melhor resultado no Datafolha

Depois de desaparecer do cenário político com a prisão de seu amigo e assessor de seu filho Flávio, Fabrício Queiroz, por participação no caso das rachadinhas, e beneficiado pelo auxílio emergencial de R$ 600,00 aprovado pela oposição, Jair Bolsonaro colhe resultados positivos em pesquisa de opinião pública. Segundo o Datafolha, 37% dos brasileiros consideram seu governo ótimo ou bom, um crescimento de cinco pontos percentuais em relação à pesquisa anterior de 23 e 24 de julho

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: Alan Santos/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Pesquisa Datafolha publicada nesta sexta-feira na Folha de S.Paulo indica que Jair Bolsonaro está com a melhor avaliação desde que começou o seu mandato.

Segundo o instituto, 37% dos brasileiros consideram seu governo ótimo ou bom, ante 32% que o achavam na pesquisa anterior, feita em 23 e 24 de junho.

A rejeição a Bolsonaro também caiu. Na pesquisa anterior, o percentual dos que consideravam seu governo ruim e péssimo era 44%, agora é 34%. Por sua vez, 27% consideram o governo Bolsonaro regular, ante 23% em junho.

O instituto entrevistou por telefone 2.065 pessoas de 11 a 12 de agosto. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos, informa o jornalista Igor Gielow.

Bolsonaro beneficiou-se do pagamento do auxílio emergencial na pandemia de Covid-19, uma iniciativa que não partiu do governo. De acordo com a propostas de Bolsonaro, o auxílio emergencial deberia ser de R$ 200. Foi a oposição no Congresso que aumentou para R$ 600. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247