Avaliação negativa de Bolsonaro sobe e alcança 48% dos brasileiros

Rejeição cresceu em três regiões entre os meses de agosto e setembro: Nordeste, Sudeste e Sul

Manifestação contra Bolsonaro
Manifestação contra Bolsonaro (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Pesquisa da Quaest Consultoria encomendada pela Genial Investimentos aponta que a avaliação negativa de Jair Bolsonaro alcança 48% dos brasileiros, um crescimento de quatro pontos percentuais sobre o levantamento anterior, divulgado no início de agosto. A avaliação positiva caiu para 24%, queda de dois pontos percentuais. 

Ainda conforme a pesquisa, a avaliação negativa de Bolsonaro cresceu em três regiões entre os meses de agosto e setembro: Nordeste, Sudeste e Sul.  A rejeição ao chefe do Executivo é maior no Nordeste, chegando a 59% da população, contra 53% do levantamento anterior. No Sudeste este índice passou de 42% para 47% e no Sul subiu de 36% para 39%. 

A pesquisa aponta que o governo é mais bem avaliado entre os evangélicos, homens, moradores das regiões Sul e Centro-Oeste, mais velhos e com renda mais alta. As maiores taxas de reprovação estão entre os católicos, residentes do Nordeste, mulheres, mais jovens e com renda mais baixa.

PUBLICIDADE

A pesquisa Genial/Quaest foi realizada entre os dias 26 a 29/8 por meio de 2 mil entrevistas presenciais em 124 municípios de todos os estados do país. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. 


PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email