Bahia solta a franga e exige respeito

Com pblico estimado entre 700 mil e 1 milho de pessoas, Parada do Orgulho Gay da Bahia se consolida como segundo maior maior evento de rua de Salvador, ficando atrs apenas do carnaval

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rebeca Bastos_Bahia 247 - Irreverência e animação, sem esquecer a luta por respeito e direitos. Esse é o clima da 10ª Parada do Orgulho Gay da Bahia, que é realizada neste domingo, no bairro do Campo Grande, no Centro Antigo de Salvador.

Organizado pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), o evento tem público estimado entre 700 mil e 1 milhão de pessoas e já se configura como o segundo maior evento de rua da capital baiana, atrás apenas do carnaval.

O tema deste ano, “Ser gay não é estranho. Estranha é a homofobia”, busca chamar atenção para o preconceito ainda latente na sociedade brasileira, que muitas vezes toma a forma da violência praticada contra homossexuais em todo o Brasil.

A parada tem uma vasta programação musical com atrações que se apresentarão em trios elétricos e em um palco fixo no Campo Grande. A concentração começou às 11h e o primeiro trio deve deixar a praça por volta das 15h, em direção à Praça Castro Alves.

Homofobia mata

Um relatório do GGB sobre o assunto indica que no ano passado foram documentados 260 assassinatos de gays, travestis e lésbicas no Brasil. A Bahia, pelo segundo ano consecutivo, lidera essa lista com 29 homicídios, seguida de Alagoas, com 24 mortes, Rio de Janeiro e São Paulo, com 23 cada.

Entre as principais lutas do movimento gay brasileiro estão a criminalização da homofobia, a legalização do casamento civil e a aprovação do projeto Escola sem Homofobia, que ficou conhecido como "kit gay". Confira os números

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247